Em destaque

18 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.20602 patacas e 1.1314 dólares norte-americanos.

Estudo sobre a saúde revela uso excessivo de sal
Quarta, 08/11/2017

O Inquérito sobre a Saúde de Macau de 2016 indica que 38,4 por cento dos 2802 participantes têm um consumo excessivo de sal per capita na família. Dez por cento consomem mais do dobro do limite máximo de sal per capita na família (cada indivíduo cinco gramas por dia).

 

O estudo foi realizado entre Abril e Julho do ano passado e contou com a participação de 2802 pessoas com idade igual ou superior a 18 anos. O último estudo semelhante data de 2006.

 

Ainda na alimentação, cerca de 41 por cento dos inquiridos consomem menos de 400 gramas de legumes e frutas e 35 por cento comem demasiada carne vermelha.

 

A taxa de sobrepeso é de 25,5 por cento e a de obesidade de 5,1 por cento. Com os homens a apresentarem em ambos os casos os valores mais elevados.

 

Dos inquiridos, 18,5 por cento não pratica actividade física suficiente e 23,7 por cento têm uma baixa actividade.

 

A prevalência de hipertensão é de 25,5 por cento – com os homens a serem os mais afectados. O valor está muito próximo do registado há dez anos – 28,8 por cento.

 

A incidência de diabetes é de 7,1 por cento.

 

Quanto à taxa de tabagismo ronda os 16,5 por cento. Uma descida de cerca de dez por cento face a 2006.

 

Os dados revelam ainda que 6,6 por cento dos inquiridos beberam álcool pelo menos três vezes por semana. O estudo indica ainda uma descida de pessoas que bebem álcool diariamente, face a 2006.

 

Quanto à hepatite B a taxa é de 7,6 por cento.

 

A última vez que um estudo semelhante tinha sido feito foi em 2006. Face há dez anos houve mudanças nos critérios do estudo e por isso, diz Lam Chong, do Centro de Prevenção e Controlo de Doenças, é difícil fazer comparações. Mas houve melhorias: “Por exemplo na hipertensão os indicadores melhoraram. Tal como em relação ao tabagismo o número está melhor. E nos outros não há uma alteração significativa”, indicou Lam Chong.

 

Marta Melo