Em destaque

22 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.20 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

Tecnologia espacial para reduzir impacto de desastres
Segunda, 27/02/2012

 

Cerca de 30 especialistas estão em Macau para aperfeiçoar conhecimentos sobre uma aplicação de tecnologia espacial usada pelo Comité dos tufões. Esta tecnologia que permite reduzir o impacto de desastres naturais e acompanhar a evolução dos mesmos através da interpretação de imagens de satélite.

 

O seminário começou esta manhã e prolonga-se até à próxima sexta-feira. Segundo afirmou aos jornalistas o secretário do Comité de Tufões, Olavo Rasquinho “esta tecnologia espacial é baseada em satélites japoneses principalmente. Serve sobretudo para a prevenção de cheias na medida em que é possível através de satélites ter uma perspectiva muito vasta do que está a acontecer”.

 

Esta tecnologia é mais usada “para depois da ocorrência ou durante a ocorrência”, explica Olavo Rasquinho que dá o exemplo das cheias: “são fenómenos progressivos e pode ser ir acompanhando o alastramento das águas ao longo das margens dos rios através desta tecnologia”. Neste processo, diz Olavo Rasquinho, “há que interpretar as imagens” e  por isso o “treino que vai ser feito aqui [em Macau] dentro de certa medida é a interpretação das imagens dadas por satélites”.

 

Países como o Japão, a Tailândia ou o Paquistão fazem uso desta nova tecnologia e nas cheias em Myanmar foi o “Sentinel Asia” que prestou grande ajuda, acrescenta Olavo Rasquinho.

 

Macau ainda não utiliza esta tecnologia, porque explica o responsável é um território “muito restrito”. Mas o director dos Serviços Meteorológicos, Fong Soi Kun, não descarta a possibilidade de no futuro ser utilizada por na RAEM. Fong Soi Kun diz, no entanto, que “ainda não há uma data” justificando que precisa de haver uma fase de estudo até se ter uma conclusão.

 

O seminário é patrocinado pela Agência de Exploração Espacial do Japão (JAXA) e organizado pelos Serviços Meteorológicos e Geofísicos e reúne especialistas de dez dos 14 Membros Comité dos Tufões e de seis organizações internacionais ou regionais e universidades.