Em destaque

22 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.20 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

Leong Heng Teng comenta caso do terreno da antiga pedreira
Domingo, 26/02/2012

O porta-voz do Conselho Executivo comentou ontem a polémica em volta da concessão do terreno da antiga pedreira de Coloane, que envolve uma empresa presidida por Liu Chak Van, membro do Conselho. Em declarações aos jornalistas, transmitidas pelo Canal Macau, Leong Heng Teng afirma que os membros do Conselho devem evitar conflitos de interesse, como dita a lei.

 

“O Conselho Executivo tem um procedimento sobre recusa de conflito de interesses. Os membros devem cumpri-lo. Quando é necessário declarar um interesse, o Conselho respeita a lei”, afirmou Leong Heng Teng.

 

Quem também se referiu a esta matéria foi a deputada Kwan Tsui Hang, que disse aos jornalistas que o caso revela a necessidade de os membros do Conselho Executivo declararem os bens que possuem. “Ele [Liu Chak Van] tem de estar ciente da política. Precisa de divulgar o trabalho em que está envolvido e a empresa de investimento”, comentou a também dirigente dos Operários.

 

As declarações de Kwan Tsui Hang e de Leong Heng Teng surgem depois de, na quarta-feira passada, a Associação Novo Macau ter pedido explicações ao Governo sobre o processo de concessão do terreno da antiga pedreira de Seac Pai Van, onde está a ser construída a habitação pública. A associação conta que a concessão de terreno para a construção de uma pedreira expirou em 1995 e a terra foi concedida à Empresa Industrial de Materiais de Construção Limitada (Empimac). Mas em Dezembro do ano passado, adianta a associação, o contrato passou para uma outra empresa - do ramo imobiliário -, a New Hong Yee, presidida pelo membro do Conselho Executivo Liu Chak Van, e alterou-se a finalidade.

 

A Associação Novo Macau considera que se está perante um caso de corrupção e já preparou uma interpelação oral para levar o assunto ao hemiciclo.