Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Sónia Chan remete alterações à lei eleitoral para CAEAL
Domingo, 17/09/2017

A secretária para a Administração e Justiça, Sonia Chan, recusou-se esta amanhã a fazer qualquer avaliação sobre as eleições desde ano, apesar das sucessivas críticas à nova lei eleitoral (feitas candidatos, juristas e analistas políticos) e às infracções já detectadas.

 

Sonia Chan remeteu as questões para a Comissão dos Assuntos Eleitorais da Assembleia Legislativa, que terá de apresentar ao Governo um relatório sobre o processo eleitoral. “Sobre este tipo de questões, será a Comissão Eleitoral quem vai explicar”, disse.

 

A Comissão Eleitoral admitiu já na quinta-feira uma nova revisão à lei eleitoral para penalizar actos de campanha ilegais cometidos através de redes sociais, como o Facebook.

 

Sonia Chan falou aos jornalistas depois de ter votado, no Estádio da Taipa, a assembleia de voto onde estão a votar os secretários. Durante a manhã de hoje, votaram já quatro governantes – faltava apenas o secretário para a Segurança, Wong Sio Chak.

 

Raimundo do Rosário, secretário para os Transportes e Obras Públicas, foi o primeiro a chegar. Votou assim que as urnas abriram, às 9h.

 

Questionado sobre o impacto que o tufão Hato terá na ida às urnas – é esperada uma maior participação do eleitorado, numa espécie de avaliação ao desempenho do – Raimundo do Rosário disse não ter comentários a fazer.

 

O secretário para a Economia e Finanças, Lionel Leong, chegou sorridente à boca das urnas, votou, saudou o pessoal das mesas de voto e, num gesto raro, disse bom dia em chinês, português e inglês.

 

Aos jornalistas, falou também das expectativas que tem em relação à Assembleia Legislativa que é hoje eleita: “Esperamos que possam ser eleitos deputados que tenham capacidade na área legislativa e também de discutir as Linhas de Acção Governativa”. Lionel Leong disse ainda que o Executivo vai “ter em conta os programas políticos” dos candidatos eleitos “para melhorar” o Governo.

 

Sónia Nunes