Em destaque

26 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.0301 patacas e 1.1139 dólares norte-americanos.

Legislativas 2017: os candidatos e as propostas da lista 25
Sexta, 15/09/2017

 

Os canais portugueses da TDM apresentam durante o período de campanha eleitoral um perfil das listas candidatas às eleições para a Assembleia Legislativa. Os candidatos e as propostas, com emissão na Rádio Macau às 9h30 e 16h, e no Canal Macau durante o Telejornal.

 

A lista 25 é a da Linha da Frente dos Trabalhadores dos Casinos, que concorre pela primeira vez à Assembleia Legislativa. Com vários pontos de contacto com o movimento operário e o campo pró-democracia, o grupo tem sido bastante activo na protecção da mão-de-obra local.

 

A cabeça de lista é Cloee Chao, natural da província de Guangdong, co-fundadora da associação  Forefront of the Macau Gaming e presidente da Associação Novo Macau para os Direitos dos Trabalhadores. É sobretudo um dos rostos mais visíveis do movimento de trabalhadores dos casinos que ganhou força após a queda das receitas do jogo, em 2014. Estreia-se nas eleições.

 

O número dois é Leong Lei Kan, tem 48 anos e também trabalha num casino, tal como o número três, Zhou Hou, 54 anos – são igualmente candidatos pela primeira vez.

 

Cloee Chao é também uma companheira de luta de Lei Man Chao, que chegou a vestir a camisola da lista antes de decidir concorrer às legislativas como número 3 de Au Kam San. Cloee Chao e Lei Man Chao, ambos da União dos Operários, juntaram-se à nova associação do deputado, fundada este ano.

 

Todos os candidatos desta lista são funcionários da indústria. A última vez que os trabalhadores dos casinos tiveram representação parlamentar foi entre 2001 – 2005, com o mandato de Joao Bosco Cheang. Macau vivia ainda na fase de monopólio da indústria do jogo e João Bosco Cheang era dirigente da Associação dos Empregados e Assalariadas da Sociedade de Turismo e Diversões de Macau. 

 

Em nome de uma ou de outra associação, Cloee Chao esteve na liderança das sucessivas manifestações que no verão de 2014 fizeram cerco aos casinos das seis operadoras de jogo. Organizadores dos protestos chegaram a ser investigados por desobediência, disseram estar a ser alvo de pressões e afastaram-se: voltaram para a praça pública durante a discussão da lei do tabaco.

 

A proibição total do consumo de tabaco nos casinos é, de resto, uma das prioridades da lista. O grupo compromete-se ainda a lutar pelos direitos dos trabalhadores do jogo, exigindo dois dias de descanso semanal e o pagamento do trabalho por turnos.  A lista defende também o fim da importação de mão-de-obra.

 

Sónia Nunes