Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Legislativas 2017: os candidatos do colégio empresarial
Sexta, 15/09/2017

Já com os quatro lugares garantidos pelo sufrágio indirecto, a União dos Interesses Empresariais é mais uma vez liderada por Ho Iat Seng, presidente da Assembleia Legislativa desde 2013. Empresário, filho do industrial Ho Tin, vice-presidente da Associação Comercial e presidente vitalício da Associação Industrial, Ho Iat Seng estreou-se na Assembleia Legislativa em 2009, tendo sido logo eleito vice-presidente.

 

Com a entrada no hemiciclo, Ho Iat Seng deixou o Conselho Executivo, onde estava desde 2004. Mantém-se no Comité Permanente da Assembleia Popular Nacional.

 

Kou Hoi In é o segundo eleito por este sector. Na Assembleia Legislativa desde 1991, é o deputado mais antigo, com a saída de Leonel Alves. Tem 64 anos, é presidente da direcção da Associação Comercial e deputado à Assembleia Popular Nacional.

 

Em Macau, na Assembleia Legislativa, tem também um cargo com poder decisivo: faz parte da Mesa; é segundo secretário.

 

Em terceiro lugar na lista está Chui Sai Peng é também reconduzido. É engenheiro e deputado desde 2005, nomeado no segundo mandato de Edmund Ho. Em 2009, com o primo, Chui Sai On, como Chefe do Executivo, deixou a via da nomeação e passou para o sufrágio directo: trocou de lugar com Fong Chi Keong.

 

Chui Sai Peng faz também parte da Assembleia Popular Nacional.

 

O quarto deputado eleito por esta via é uma estreia na Assembleia Legislativa. Ip Sio Kai tem 56 anos, é vice-director geral do Banco da China em Macau e presidente da Associação de Bancos. Nomeado pelo Governo para vários conselhos consultivos, surge nestas eleições em substituição de Cheang Chi Keong, que deixa a Assembleia Legislativa ao fim de 16 anos.

 

Nestas eleições, a prioridade do colégio dos interesses económicos é o desenvolvimento empresarial. O grupo defende mais apoios para as Pequenas e Médias Empresas, soluções para a falta de mão-de-obra, e mais garantias para o patronato.

 

Sónia Nunes