Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Revista de imprensa de Macau e Hong Kong (sexta-feira)
Sexta, 15/09/2017

As últimas cartadas dos candidatos às eleições, a chegada de profissionais hidráulicos da China continental para estudarem o caso da comporta e o incêndio nas obras do MGM Cotai. Aqui ficam os destaques da imprensa local e da região.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

No Jornal Ou Mun destacam-se os profissionais hidráulicos do interior da China, que chegaram a Macau para estudar “in loco” a situação da comporta, o Governo quer acelerar o projecto da comporta no Porto interior.

 

O Va Kio escreve, em manchete, que o apelo da Comissão dos Assuntos Eleitorais da Assembleia Legislativa, relacionado com os materiais de propaganda eleitoral, que precisam de ser removidos antes da meia noite de sábado. Se houver violações à norma, será considerado crime de desobediência qualificada.

 

Ou Mun Tin Toi

A estação em língua chinesa da Rádio Macau escreve que houve um incêndio nas obras do hotel MGM, em construção no Cotai, durante a madrugada. Não se registaram feridos. Destaque também para uma interpelação feita por Chan Meng Kam. O antigo deputado apelou ao Governo para rever a capacidade das infra-estruturas e o sistema de alerta para a prevenção de catástrofes. Chan Meng Kam pede ainda um simulacro de grande dimensão, para testar a capacidade dos serviços públicos.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

No Jornal Tribuna de Macau fazem-se previsões para as eleições de domingo. O jornal escreve que os deputados que já têm carreira no hemiciclo têm mais possibilidades de serem eleitos. Caras novas na Assembleia Legislativa são pouco expectáveis. Nota também para o recurso interposto pelo Ministério Público no caso conexo ao do antigo procurador Ho Chio Meng. Em causa estão as absolvições de António Lai, Chan Ka Fai e Lam Hou Un.

 

No Hoje Macau a manchete vai para Vong Hin Fai. O advogado e candidato às eleições pelo sufrágio indirecto diz que “há falta de profissionais em Macau”. Também entrevista com Cloee Chao, cabeça da lista 25, a Linha da Frente dos Trabalhadores dos Casinos. A candidata garante que os seus votos “não são” os de Angela Leong.

 

Na última edição antes do dia das eleições, o Ponto Final regista muitas polémicas na campanha. Ameaças de morte, acusações de deslealdade para com Pequim, distúrbios em acções de campanha e suspeitas de corrupção. Tong Hio Fong, presidente da Comissão dos Assuntos Eleitorais da Assembleia Legislativa, tinha pedido um “duelo de cavalheiros”, mas o jornal conclui que esteve longe disso. Nota para o secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, Alexis Tam, que garantiu que o concurso público para renovar o Hotel Estoril avança até ao final do mês.

 

Sexta-feira é dia de semanários. O Clarim cita o Bispo da Diocese de Hong Kong, D. Michael Yeung, que fala das relações China-Vaticano. O bispo acredita que a relação está para durar.

 

O Plataforma lança a pergunta “xadrez ou bonança eleitoral”. O semanário ouviu analistas e Éric Sautedé acredita que o tufão Hato pode ter impacto nos resultados finais. Já António Katchi duvida que a configuração na Assembleia sofra grandes mudanças.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

O Macau Post Daily fala de uma mulher de nacionalidade brasileira detida no aeroporto com 1.76 kg de cocaína. A mulher transportava a droga no corpo enquanto tentava entrar em Macau.

 

O Macau Daily Times fala da quantidade de listas. São 24 ao todo, nestas que são as mais concorridas eleições de sempre. A Assembleia conta com 14 lugares para o sufrágio directo. Ainda assim, a imagem e design de algumas campanhas deixa muito a desejar, segundo especialistas ouvidos pelo jornal.

 

O Business Daily fala em ameaças de morte na lista 12. A candidata Joana Cheong, da lista Poder dos Cidadãos, garante que recebeu chamadas anónimas a dizerem que “devia ter cuidado” quando saísse de casa.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

No Standard o principal destaque vai para a decisão do serviço de transfusão de sangue da Cruz Vermelha de Hong Kong, que decidiu levantar a proibição para pessoas homossexuais e bissexuais doarem sangue. A decisão segue as tendências internacionais de acabar com aquilo que a Cruz Vermelha chama de “norma discriminatória”.

 

O China Daily diz que a China está prestes a rever a lei anti-monopólio, ao fim de 10 anos. A Comissão para o Desenvolvimento e Reforma Nacional deve enviar a primeira observação tendo em vista a revisão da lei no próximo mês. A principal alteração à lei foca-se na incorporação da justa competitividade de mercado. A foto de primeira página vai para Expo Helicóptero da China, que arrancou ontem em Tianjin. Mais de 400 helicópteros de 22 países e regiões vão estar expostos.

 

Por fim, o South China Morning Post, com destaque para as eleições intercalares de Março. Os quatro deputados da ala democrata que viram os mandatos interrompidos podem agora favorecer a entrada de representantes mais moderados, dizem os especialistas ouvidos pelo jornal. Também o ambiente em destaque: a campanha sem precedentes levada a cabo na China continental contra as emissões poluentes guiou a que 18 mil empresas recebessem multas ou fossem obrigadas a fechar. Ainda assim, há falta de dados que meçam o impacto económico das decisões, segundo os analistas.

 

João Picanço