Em destaque

20 de Novembro de 2017: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.5027 patacas e 1.1736 dólares norte-americanos.

Legislativas 2017: os candidatos e as propostas da lista 15
Domingo, 10/09/2017

Os canais portugueses da TDM apresentam durante o período de campanha eleitoral um perfil das listas candidatas às eleições para a Assembleia Legislativa. Os candidatos e as propostas, com emissão na Rádio Macau às 9h30 e 16h, e no Canal Macau durante o Telejornal.

 

A lista 15 é a Poder de Sinergia, com origem no campo tradicional e entre as candidaturas com mais jovens. Rejeitam, no entanto, os dois rótulos: não querem ser vistos como uma lista da juventude e pró-Pequim. São cinco candidatos e todos participam pela primeira vez nas eleições, embora tenham já experiência política.

 

Quase tudo nesta lista é novo, a começar pela base eleitoral – vem da Associação da Sinergia de Macau, criada este ano. O presidente fundador é Ron Lam U Tou, que se estreia nestas eleições como cabeça-de-lista. Tem 36 anos, dez passados na Federação das Associações dos Operários de Macau, onde foi bastante activo.  Foi um dos assessores da veterana Kwan Tsui Hang, que deixou este ano a Assembleia Legislativa, ao fim de 21 anos enquanto deputada.

 

Lam U Tou é formado em ciências ambientais e chegou a ser jornalista. Até aqui, estava à frente da Associação Choi In Tung Sam, o think-tank dos Operários, que nos últimos anos fez vários estudos e sondagens sobre políticas públicas, com destaque para a habitação.

 

Lam tem ainda dois cargos de nomeação pelo Governo: faz parte do Conselho de Renovação Urbana e está desde 2009 no Conselho Consultivo de Serviços Comuntários da Zona Central, ligado ao  Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais.

 

O número dois da lista é Ian Heng Ut. Tem 41 anos e está agora à frente de uma startup. Até há pouco tempo era jornalista no principal diário de Macau, o Ou Mun Iat Pou. Faz hoje também parte da Associação da Sinergia.

 

O presidente da associação é Vitor da Rocha Vai, número três na lista. Fala português, tem 49 anos, participou em actividades dos Operários e reformou-se em Novembro do ano passado. Era funcionário do IACM, com funções de chefia no conselho consultivo a que pertence Lam U Tou.

 

Apesar de recém-formada, a Associação da Sinergia tomou já várias posições públicas. A primeira terá sido em Fevereiro, pouco antes de ser formalmente criada. A organização surgiu a pedir explicações ao Governo e à Companhia de Electricidade de Macau sobre uma vaga de apagões, após um investimento de 240 milhões de patacas em instalações eléctricas.

 

Para estas eleições, o turismo é prioridade. A lista defende um melhor aproveitamento da costa de Macau, para atrair visitantes.

 

Ainda na área do urbanismo, quer que o Governo crie um plano de habitação a dez anos. A ideia é que, durante esse tempo, todos os anos sejam oferecidas três mil casas públicas, mais duas mil no mercado privado.

 

A lista defende ainda a criação de uma carreira directa entre as Portas do Cerco, Rotunda Ferreira do Amaral e Cotai, para reduzir o trânsito no centro, nas horas de ponta.  

 

Sónia Nunes