Em destaque

17 de Novembro de 2017: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.5413 patacas e 1.1806 dólares norte-americanos.

Legislativas 2017: os candidatos e as propostas da lista 11
Sexta, 08/09/2017

Os canais portugueses da TDM apresentam durante o período de campanha eleitoral um perfil das listas candidatas às eleições para a Assembleia Legislativa. Os candidatos e as propostas, com emissão na Rádio Macau às 9h30 e 16h, e no Canal Macau durante o Telejornal.

 

A lista 11 é a da Aliança do Bom Lar, a primeira candidatura independente da Associação Geral das Mulheres de Macau às eleições legislativas, pelo sufrágio directo. Pró-Pequim e pró-família, com uma importante rede de serviços sociais e também com bases de apoio no sector empresarial (com destaque para o grupo estatal Nam Kwong) é a primeira vez que concorre sem os Kai Fong – mas com um trunfo de há quatro anos.

 

Deputada desde 2013, Wong Kit Cheng estreia-se como cabeça-de-lista. Entrou na Assembleia Legislativa nas últimas eleições como número dois de Ho Ion Sang, dos Kai Fong, e deu a volta a uma derrota histórica: a formação política recuperou o mandato perdido em 2009 pelo voto directo.

 

Aos 35 anos, Wong Kit Cheng é enfermeira assistente do Hospital Kiang Wu, vice-presidente da Associação Geral das Mulheres de Macau e dirige ainda uma das frentes de juventude da organização. Antes mesmo de ser deputada, Wong Kit Cheng foi nomeada pelo Governo para a Comissão de Prevenção e Controlo das Doenças Crónicas dos Serviços de Saúde e para o Conselho de Educação para o Ensino Não Superior.

 

O sector educativo é uma das bases eleitorais da lista. A segunda candidata, Loi I Weng, é professora na Escola Hou Kong, faz também parte da direcção da Associação das Mulheres, é presidente da direcção da Associação de Juventude de Fu Lun, ligada à organização, e está ainda na Associação de Educação, também estabelecida como frente patriótica. Loi I Weng é uma estreia nas eleições.

 

Já Cheung Kin Chung é candidato pela segunda vez, novamente em terceiro lugar. É gerente-geral da Agência de Viagens e de Turismo China, da Nam Kwong, e é presidente da Associação dos Hoteleiros de Macau. Fez parte do colégio eleitoral que, em 2014, levou Chui Sai On ao segundo mandato como Chefe do Executivo, e integra vários conselhos consultivos do Governo. Três exemplos: Comissão de Apoio ao Desenvolvimento Turístico, Conselho para o Desenvolvimento Económico e Conselho para os Assuntos das Mulheres. 

 

A lista tem vários pontos de contacto com o sector empresarial. A Associação das Mulheres é, resto, presidida por Tina Ho, ex-deputada em representação do sector comercial e vice-presidente da Associação Industrial.

 

Defensora do papel tradicional das mulheres na família ao mesmo tempo em que promove a inserção no mercado de trabalho, a lista luta por “um lar feliz”, com um pacote de subsídios como prato forte do programa eleitoral: defende a criação de um fundo de mil milhões de patacas para políticas pró-família; o alargamento da licença de maternidade e cinco dias de licença de paternidade; e o aumento do subsídio de nascimento para 10 mil patacas.


Sónia Nunes