Em destaque

22 de Novembro de 2017: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.5027 patacas e 1.1744 dólares norte-americanos.

Hato: Cancelamento de matrículas deve acontecer até dia 18
Quinta, 07/09/2017

Os cidadãos com veículos danificados após a passagem do tufão Hato devem preceder ao cancelamento das matrículas até ao dia 18 de Setembro. A medida tem em vista também as pessoas que procurem beneficiar da devolução do imposto sobre estes veículos quando comprarem um novo. A Direcção dos Serviços para os Assuntos de Tráfego (DSAT) diz também que os proprietários que procederam ao cancelamento das matrículas e remoção dos veículos antes de 6 de Setembro, só têm de apresentar os documentos comprovativos nos Serviços de Tráfego.

 

A DSAT confirma que recebeu mais de mil pedidos de cancelamento de matrícula desde o dia 23 de Agosto, data em que o Tufão Hato assolou o território. Os veículos danificados pela passagem do tufão contemplam cerca de 90 por cento dos cancelamentos.

 

O director dos serviços, Lam Hin San, lembra que a entrada em vigor da proposta depende da Assembleia Legislativa e que a possível aplicação da medida terá efeitos retroactivos.

 

“Assim que a Assembleia Legislativa aprovar a nossa proposta, os proprietários podem começar a receber o valor que pagaram de imposto automóvel, relativamente ao carro antigo que ficou danificado pelo tufão”, explicou Lam Hin San.

 

Os montantes máximos são de 140 mil patacas nos automóveis e 5 500 patacas nos motociclos e ciclomotores. As taxas de amortização dependem do tempo a contar desde a data do primeiro registo. Estes valores são descontados ao imposto automóvel na compra de um novo veículo.

 

Tal como já havia sido veiculado na passada semana, o Governo quer que os cidadãos beneficiem de uma dedução até 80 por cento no veículo danificado, se na compra de novo optarem por um veículo comum. Se optarem por um veículo amigo do ambiente, o reembolso pode ir até 100 por cento.

 

Só as pessoas que recorrerem à compra de carros novos podem beneficiar da medida. Os veículos em segunda mão ficam excluídos.

 

Lam Hin San acredita que a medida “pode aumentar a procura e importação de automóveis amigos do ambiente, pois também é essa a ideia do Governo”. Caso seja necessário instalar mais postos de carregamento de carros eléctricos, para além dos 70 já existentes, Lam Hin San diz que “é perfeitamente possível”.

 

Questionado sobre se Macau tem capacidades para acolher tantos veículos para abate, Lam Hin San disse que todos podem ficar tranquilos quanto a isso: “Segundo as informações que temos, Macau possui espaço suficiente para essa finalidade. Não estamos com problemas nesse sentido”.

 

Lam Hin San diz também que não vai haver benefício para os serviços de reboque de carros danificados, ao contrário do que acontece com o cancelamento das matrículas. O director lembra que há uma lista de empresas a prestarem o serviço a preços mais baixos dos habitualmente praticados e que o Governo pode recomendar. Mas os encargos têm de ser assegurados pelos proprietários.

 

Na mesma conferência de imprensa, Lam Hin San foi abordado sobre o terminal das Portas do Cerco. Os estragos provocados pelo tufão são consideráveis e não há data para a reabertura.

 

João Picanço