Em destaque

20 de Setembro de 2017: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.7133 patacas e 1.2006 dólares.

Grande Baía com “a taxa de imposto mais baixa”
Quinta, 07/09/2017

A Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau, estratégia do Governo Central que visa criar uma nova região metropolitana, vai ter o regime fiscal mais atractivo de todos os planos semelhantes que já existem, nomeadamente no Japão e nos Estados Unidos, considera o vice-presidente para a Grande China do Instituto Australiano de Contabilistas Públicos Certificados.

 

Em declarações ao portal electrónico yicai.com, He Yaobo defendeu que a iniciativa de Pequim de integração regional vai ajudar as empresas a aliviar a carga fiscal, com uma das mais baixas taxas de impostos empresariais, não só na China, mas também em comparação com o Japão e os Estados Unidos.

 

Na Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau, indicou o responsável, as empresas vão ser tributadas com uma taxa de 16,5 por cento, enquanto no continente são cobrados impostos de 25 por cento, de 30,86 por cento no Japão e quase 30 por cento nos Estados Unidos.

 

“A taxa de imposto na Grande Baía é a mais baixa”, disse He Yaobo, sublinhando que essa é uma vantagem da região.

 

De acordo com o plano de Pequim, Macau terá duas grandes funções na estratégia da Grande Baía: a de centro mundial de turismo e lazer e a de plataforma entre a China e os países de língua portuguesa.

 

A Grande Baía deverá estar em plena força em 2030, sendo esperado tornar-se um centro industrial e de inovação, de finanças e de comércio.

 

Hugo Pinto