Em destaque

22 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.20 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

É cada vez mais caro comprar casa em Macau
Sexta, 17/02/2012

 

Os preços das fracções em Macau continuam a subir, apesar das medidas lançadas pelo Governo para controlo do mercado imobiliário. Dados dos Serviços de Estatística e Censos relativos a 2011 apontam que as fracções habitacionais foram transaccionadas a um preço médio por metro quadrado de 41.433 patacas, o que representa uma subida de 33,6 por cento face a 2010.

 

Já os escritórios ficaram 53,5 por cento mais caros em comparação com o ano anterior. Cada metro quadrado ficou avaliado numa média de 35 mil patacas. No mesmo sentido, disparou o valor das fracções industriais em 72,4 por cento, custando um metro quadrado em média 12 mil patacas.

 

Contas feitas ao ano todo, houve uma queda de 6,7 por cento no número de fracções transaccionadas, num total de 27.624 que ficaram avaliadas em 76,26 mil milhões de patacas. O valor continuou, portanto, a subir, crescendo quase 35 por cento face a 2010. O Governo explica esta situação com o novo imposto de selo, aprovado numa tentativa de se controlar o valor dos imóveis.

 

Só no quarto trimestre de 2011, foram transaccionadas menos 5,2 fracções autónomas e o valor das fracções acabou por aumentar em relação ao terceiro trimestre do mesmo ano. Uma nota do Governo justifica o aumento dos preços neste período com “os novos edifícios colocados no mercado”.

 

No quarto trimestre do ano passado, Coloane era o sítio mais caro para se adquirir apartamento, seguindo-se a taipa. Os apartamentos mais baratos transaccionaram-se na Península de Macau.