Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

CPLP atribui estatuto de observador consultivo à USJ
Quarta, 26/07/2017

A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) atribuiu o estatuto de observador consultivo à Universidade de São José (USJ). A decisão foi tomada na última reunião do Conselho de Ministros da organização, que aconteceu em Brasília. O reitor Peter Stilwell avança à TDM – Rádio Macau que a iniciativa partiu do Governo de Portugal.

 

“[O pedido] tem de ser submetido sempre por um Governo da CPLP. No nosso caso, foi o Governo português que se mostrou interessado em apresentá-lo. Significa que, em princípio, podemos beneficiar de contactos ao nível académico entre universidades que também fazem parte da rede de observadores consultivos. A nível de bibliotecas, vai ser possível partilhar publicações e revistas. A nível de estudos a desenvolver, vai ser possível promover a comunidade”, indicou o responsável.

 

Peter Stilwell acrescenta que “Macau tem interesse em se colocar nesta rede de ligação com os países de língua portuguesa”. “Achamos que é benéfico para todos”, nota.

 

O reitor da USJ recorda que já existe algum trabalho de cooperação com instituições lusófonas. No entanto, o futuro deve passar por um reforço dos laços.

 

“Temos estado a trabalhar com Portugal e Timor-Leste. Temos intercâmbio de alunos com duas universidades do sistema regular. Estamos também a criar alguns laços com Angola. Isto vem na linha do trabalho que temos vindo a desenvolver”, explica Peter Stilwell.

 

“A gestão é uma área de excelência em que temos vários contactos. É um trabalho que já está relativamente avançado. Ultimamente, temos dado conta de que é preciso desenvolver a área das humanidades. Dentro da política ‘Uma faixa, uma rota’, é importante ajudar a superar a dificuldade das culturas se perceberem umas às outras”, conclui.

 

Actualmente, mais de 70 instituições têm o estatuto de observador consultivo da CPLP. A USJ junta-se a uma lista em que já estava o Instituto Internacional de Macau.

 

Pedro Galinha