Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Revista de imprensa de Macau e Hong Kong (Quinta-feira)
Quinta, 20/07/2017

A suspensão dos trabalhos da ETAR na Península de Macau durante três dias, a segurança dos parques infantis e o jogo que simula a votação nas eleições de Setembro são temas em destaque na imprensa de Macau.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

O Ou Mun tem na manchete a suspensão das operações da Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) da Península de Macau durante três dias. De acordo com os Serviços de Protecção Ambiental, durante esse período, os resíduos vão ser descarregados directamente nas águas das zonas costeiras. O jornal fala de um desastre ambiental.

 

O Va Kio dá conta das sugestões sobre as renovações nos edifícios. Até agora é preciso que todos os condóminos estejam de acordo mas as regras podem ser mudadas.

 

Ou Mun Tin Toi

A Ou Mun Tin Toi destaca esta manhã a garantia dada pela Direcção dos Serviços de Protecção Ambiental (DSPA) de monitorizar a qualidade da água durante os dias em que as operações na ETAR da Península vão estar suspensas. A DSAP pede compreensão aos residentes. As operações vão estar suspensas por causa de problemas detectados em parte das condutas subterrâneas da estação.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

“Salas de risco” lê-se na primeira do Hoje Macau, que aborda a qualidade do ar nas escolas, considerado “abaixo do mínimo”, segundo um estudo. Em foco ainda os cartazes na Assembleia Legislativa – “Comissão não recua”, escreve o jornal.

 

O Jornal Tribuna de Macau titula “Jogo que simula votação alarma Comissão Eleitoral”. O caso foi encaminhado já para a Polícia Judiciária. No destaque fotográfico as regras das piscinas que “afectam famílias numerosas”.

 

O Ponto Final destaca o relatório do Grupo Ásia-Pacífico contra o Branqueamento de Capitais que atribuiu uma notação de eficácia a Macau pelo trabalho desenvolvido nesta área. “Louvores inesperados” é o título. Noutra chamada de capa lê-se “Macau puxa dos galões”, dois programas de computador do Laboratório de Imagiologia Biomédica da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Macau reconhecidos internacionalmente.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

O Business Daily destaca os bons resultados alcançados em Maio nos sectores da restauração e comércio. Os dados são melhor do que os esperados. O matutino conta ainda que mudança de percentagem de votos necessários para trabalhos de construção pode ser discutida na próxima reunião do Conselho de Renovação Urbana, segundo o secretário para os Transportes e Obras Públicas, Raimundo do Rosário.

 

O Macau Post Daily puxa para a primeira página o alerta deixado pela Associação de Construção Conjunta de Um Bom Lar sobre os equipamentos dos parques infantis. O grupo deu ontem uma conferência de imprensa e diz que há riscos para a segurança. O jornal destaca ainda a demissão do chefe de Estado Maior das Forças Armadas francês. 

 

A pegada ecológica da ponte que vai ligar Macau, Zhuhai e Hong Kong é ainda desconhecida, escreve o Macau Daily Times. O jornal conta ainda que os apoiantes de Liu Xiaobo assinalaram os sete dias da sua morte, com preocupações em relação à mulher do Nobel da Paz.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

O China Daily destaca o apelo deixado pelo presidente chinês. Xi Jinping realça perante as instituições militares a necessidade de se estar atento ao futuro, apelando ao recrutamento. Em foco ainda o encontro entre o vice-primeiro ministro chinês, Wang Yang, e o secretário do Tesouro norte-americano, no qual Pequim pede aos Estados Unidos para facilitar as regras do comércio.

 

O South China Morning Post destaca a confusão ontem no Conselho Legislativo de Hong Kong depois do aprovado o plano de Carrie Lam para a educação. O jornal destaca a relação entre a Administração e oposição numa fase menos positiva depois da desqualificação de quatro deputados. Noutra chamada de capa lê-se que a poluição atmosférica pode ser vencida até 2030 se a China continuar no actual caminho.

 

O Standard diz que haverá camas mais baratas em hospitais privados para ajudar na crise dos hospitais públicos. No topo da página, ainda uma referência a um acidente mortal em Taiwan que envolveu 22 viaturas.

 

Marta Melo