Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Ho Chio Meng: “Ficamos desiludidos”, diz defesa
Sexta, 14/07/2017

Oriana Pun, a advogada de defesa de Ho Chio Meng, mostrou-se descontente com o veredicto do Tribunal de Última Instância. O antigo Procurador foi condenado a 21 anos de prisão.

 

“Ficamos um bocado desiludidos. Não só pela pena única que foi aplicada mas também pelos crimes que foi condenado. Sempre defendemos que não há associação criminosa e também não houve o branqueamento de capitais. Mas ele foi condenado por todos estes crimes”, afirma.

 

Ho Chio Meng foi julgado pelo Tribunal de Última Instância o que impossibilita, à luz do ordenamento jurídico de Macau, um recurso. O caso do ex-procurador é o segundo a confrontar o sistema com esta questão. A questão já tinha sido levantada com a condenação do ex-secretário para os Transportes e Obras Públicas Ao Man Long.

 

A advogada de Ho Chio Meng defende, no entanto, que o recurso é um direito básico. “O problema do recurso, tal como anteriormente já tinha sido suscitado, é um problema do nosso sistema judiciário. Mas do ponto de vista da defesa, nós temos sempre direito a recurso. Qualquer pessoa. É um direito mínimo e básico em qualquer parte do mundo. Uma decisão sem recurso para nós não é decisão última, que pode transitar. Para nós está sempre pendente, antes de poder haver pelo menos uma oportunidade de fazer recurso”, afirma.

 

A advogada diz que vai estudar o que pode ser feito: “Temos de estudar primeiro e falar com o nosso cliente. Mas vamos ver o que podemos fazer, se essa for a intenção dele”.

 

Marta Melo