Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Revista de imprensa de Macau e Hong Kong (Terça-feira)
Terça, 23/05/2017

O relatório do Comissariado da Auditoria sobre as obras “constantes” nas estradas e a saída de Scott Schiang da presidência da Associação Novo Macau marcam os destaques locais. O despedimento de 600 trabalhadores da Cathay Pacific domina a imprensa de Hong Kong.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

 

O Ou Mun refere o relatório do Comissariado da Auditoria sobre as “constantes” obras nas estradas. “Só em Macau” é possível ver este cenário, lê-se no diário. A fiscalização dos trabalhos também foi criticada.

 

O Va Kio prefere olhar para o balanço da criminalidade, no primeiro trimestre do ano. Foi apresentado ontem pelo secretário para a segurança, Wong Sio Chak. Entre Janeiro e Março, registou-se um aumento de 5,1 por cento, na actividade criminosa. As autoridades instauraram mais de 3500 inquéritos.

 

Ou Mun Tin Toi

 

Na estação de rádio Ou Mun Tin Toi, o tema que domina a manhã informativa é à explosão, em Manchester, durante um concerto de Ariana Grande. O balanço aponta para 19 mortos e cerca de 50 feridos. A hipótese terrorismo está a ser avançada.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

O Jornal Tribuna de Macau titula “buracos estendem-se à fiscalização”, numa referência à gestão das “constantes” obras viárias. “Parquímetros ‘disparam’ a partir de Junho” e Scott Chiang deixa cargo de presidente da Novo Macau” também têm honras de destaque.

 

O Hoje Macau fala em “tempos difíceis” para ilustrar o abandono de Scott Chiang. O presidente demissionário da Associação Novo Macau diz que os dias são “complicados” para o activismo político local. Para dar conta do relatório do Comissariado da Auditoria, o jornal escreve “pelas ruas da amargura”.

 

O Ponto Final também alinha nas mesmas escolhas editoriais. “Democrata de coração partido” serve para anunciar a saída de Scott Chiang. O ainda presidente fica até 9 de Junho e não esconde que ocupou o cargo com o “coração ferido”, durante os últimos dois anos. As obras constantes e a falta de fiscalização, denunciadas pelo Comissariado da Auditoria, preenchem a restante parte da primeira página.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

O Business Daily adianta que um responsável da Pagcor das Filipinas processou a Wynn Macau. Em causa está a protecção de dados pessoais na sequência do caso de alegadas relações “impróprias” entre Kazuo Okada e o grupo. O jornal financeiro ainda tem uma nota sobre o relatório do Comissariado da Auditoria.

 

O Macau Daily Times faz manchete com a resignação de Scott Chiang. Na hora do adeus fica o desejo de que a Associação Novo Macau “siga em frente”. As críticas do Comissariado da Auditoria, que “arrasa” a gestão dos trabalhos nas estradas, completam as parangonas.

 

O Macau Post Daily também escolhe a palavra “arrasa” para referir “a fraca coordenação” registada nas obras viárias. A história de um anel com diamantes comprado por quase nada, mas que vai ser vendido por 455 mil dólares americanos é outro dos destaques desta terça-feira.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

O China Daily aborda o novo objectivo chinês: produzir mais peças de alta tecnologia. A ideia é quebrar o domínio estrangeiro no sector. Entre um a dois anos, a China quer ser o principal produtor. Na edição de hoje, nota ainda para a Fundação de Yao Ming. O antigo basquetebolista lançou, ontem, uma competição para alunos chineses, que abrange 477 escolas em 21 províncias.

 

O South China Morning Post tem como tema principal a saída de 600 trabalhadores da Cathay Pacific. O jornal adianta ainda, citando fontes não identificadas, que mais 200 postos de trabalho vão ser cortados até ao final do ano. Pilotos e assistentes de bordo não estão abrangidos pelo plano de redução de custos. Hoje, também é feita uma referência à bomba que explodiu, na Tailândia, tendo provocado 21 feridos. O ataque aconteceu ontem, 22 de Maio, dia em que foram assinalados os três anos do último golpe militar no país.

 

O Standard também olha para os despedimentos na Cathay Pacific. Os primeiros a perder o emprego foram 190 trabalhadores, a maioria da área de gestão.