Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

PME vão contar com mais garantia de crédito
Sexta, 12/05/2017

Desde 2003 que o Plano de Apoio a Pequenas e Médias Empresas existe na RAEM e agora, as empresas podem pedir novamente a ajuda financeira para manterem ou melhorarem os negócios.

 

O projecto apresentado esta sexta-feira no Conselho Executivo prevê que o limite máximo de 600 mil patacas nestes casos, atribuídos pelo Governo. Ainda assim, há que cumprir certos requisitos. Os requerentes têm de ter reembolsado integralmente os subsídios anteriores, apresentar uma situação estável, registo sem atrasos dos reembolsos e não serem devedores à RAEM.

 

Os planos de garantia de crédito continuam a ter a participação do Governo, havendo um aumento do limite máximo do montante da garantia, passando para 4.900.000 patacas. Por outras palavras, o Governo dá a garantia aos bancos para os requerentes de empréstimo que não tenham possibilidades financeiras para tal, incentivando assim à libertação de verbas para as pequenas e médias empresas.

 

O que se mantém são os 70 por cento do crédito bancário garantido para cada empresa, subindo de cinco milhões de patacas, para sete milhões o montante nestes casos, como explicou o porta voz do Conselho Executivo, Leong Heng Teng.

 

O plano de apoio às PME já recebeu quase 10 mil pedidos desde 2003 até Abril deste ano, com 8.820 a serem aprovados, traduzido em quase 2 mil milhões e meio de patacas em apoios. Destes, Mais de 3 mil e setecentos foram já totalmente reembolsados. Note-se que falamos de empréstimos sem juros.

 

Quanto aos planos de garantia, existem já 616 pedidos desde 2003, com 563 aprovados, resultando em cerca de mil milhões de patacas de montante de garantia.

 

O comércio a retalho e a construção e obras públicas são os sectores que mais recorreram ao plano de apoio a pequenas e médias empresas.