Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Deputados aprovam debate com Governo sobre habitação
Quinta, 11/05/2017

A Assembleia Legislativa vai debater com o Governo, em data ainda a marcar, a abertura imediata de um concurso para habitações sociais e a criação de um mecanismo permanente de candidatura para este tipo de casas.

 

São propostas de Ella Lei que o hemiciclo aceitou discutir com o Executivo.

 

A deputada criticou o facto de o Governo “só lançar concursos depois de as casas estarem concluídas”, o que leva a um longo intervalo de tempo entre concursos.

 

A situação agrava-se, argumentou Ella Lei, com “o grande volume de residentes” que se vê obrigado a recorrer a estas casas mais baratas.

 

Um processo “moroso”, disse a deputada, que fala em situações de “haver casas prontas por ocupar”.

 

Na votação, 16 deputados mostraram-se a favor da proposta de debate, oito contra e dois abstiveram-se.

 

Do lado que deram luz verde à proposta, Melinda Chan pediu que a revisão das políticas fosse alargada também às habitações económicas: “Quanto à política de habitação, o Governo precisa de proceder a uma revisão e à sua alteração, acho que não apenas em relação à habitação social, que carece de um mecanismo permanente, mas também em relação às habitações económicas. Só assim é que o Governo consegue dominar melhor o planeamento da futura zona A, por exemplo. O Governo precisa de participar no debate deste tema”.

 

Zheng Anting foi outro dos que apoiaram a realização de um debate. O deputado defendeu as virtudes de um mecanismo permanente: “O Governo vai saber quantas pessoas vão-se candidatar e, assim sendo, vai ter de acelerar o processo de construção. Tudo tem de ser mais rápido”.

 

Entre os que se opuseram ao debate, apenas falou Tsui Wai Kwan. O deputado nomeado pelo Chefe do Executivo acha que “é realista essa medida do Governo de só abrir concurso quando tiver fracções autónomas. Provavelmente, se não for essa medida, a fila vai ser muito longa”.

 

No final, acabou por vingar o entendimento, resumido pela deputada Kwan Tsui Hang, de que, existindo ideias divergentes, o melhor é haver debate.