Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Escola Portuguesa em festa de Abril
Terça, 25/04/2017

Todos os anos acontece, é certo, mas tem um carinho especial por aqueles que a Portugal estão ligados. E mesmo a mais de 11 mil quilómetros, Macau é um dos muitos centros de Abril espalhados pelo Mundo. A Escola Portuguesa assinalou os 43 anos da revolução com dois dos símbolos daquele dia de 1974: a música e os cravos.

 

As crianças juntaram-se no amplo espaço que dá acesso às salas para entoarem canções de liberdade, exibiram os icónicos cravos de Abril e foram aplaudidos pelos pais e professores que estiveram presentes na festa. Porque foi exactamente isso: a festa dos valores.

 

A TDM Rádio Macau conversou com dois alunos do nono ano, José e Rita. Ele já nasceu em Macau, filho de portugueses. Já ela, é natural do Porto, mas desde tenra idade no território. Para quem pensa que hoje a distância histórica afasta os jovens dos ideais de Abril, desengane-se. Ambos falam da importância do dia e daquilo que significa ainda hoje para aqueles que de Abril, conhecem o que os livros dizem e os mais velhos contam.

 

"Este é um assunto muito importante. Os professores falam connosco do 25 de Abril de 1974 desde o primeiro ano. E apesar de se repetir todos os anos, é algo que nos diz muito", começou por dizer José.

 

Rita fala do 25 de Abril com muita propriedade. Ela e José fizeram parte de um dos grupos que construiu a exposição artística que se encontra à entrada da escola. Montagens e trechos históricos compõem a instalação e o grupo de José e Rita escolheu o tema da Guerra Colonial. A explicação é fácil, pois Rita tem ligações familiares ao conflito ultramarino.

 

"Chegámos à conclusão que seria bom abordar a temática. O meu avô combateu em Angola e achámos que mais do que ficarmos pelos livros, termos o testemunho de alguém que, de facto, esteve lá, seria enriquecedor. Eu juntei ao nosso trabalho cartas que o meu avô enviou naquela altura."

 

Uma manhã cheia e com os olhos postos no futuro, que passa por manter o cravo bem vivo na memória de todos.