Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Qualidade do ar em Macau piorou no ano passado
Terça, 18/04/2017

Macau está mais poluída. A qualidade do ar diminuiu no último ano, com destaque para a zona de Coloane: houve menos dias em que ar esteve respirável no “pulmão da cidade”, de acordo com os dados oficiais sobre o estado do ambiente, divulgados hoje pela Direcção dos Serviços de Estatística e Censos.

 

Apesar do aumento da poluição, o número de queixas ambientais diminuiu. No ano passado, a Direcção dos Serviços de Protecção Ambiental recebeu 489 reclamações, menos 56 do que em 2015, anos em que se respirou melhor em Macau e houve mais dias em que ar esteve “bom”.

 

Em 2016, como destacam os Serviços de Estatística, o que aumentou foram os dias em que ar esteve “moderado”. Dito de outro modo, houve menos 25 dias de ar “bom” na Rua do Campo, uma das avenidas mais poluídas da cidade, e mais dias (19) de ar “insalubre” na zona norte, onde há uma alta densidade populacional. 

 

Apesar de, no geral, ter havido menos dias em que ar foi muito prejudicial à saúde, há sinais de alerta para Coloane: os níveis de poluição aumentaram, com a área verde de Macau a registar mais 17 dias de ar “insalubre”, do que em 2015.  

 

Os registos de partículas finas em suspensão (PM 2,5) também ultrapassaram os valores -padrão em Coloane, estando acima dos níveis assinalados nas restantes estações ambientais espalhadas pela cidade.  

 

Em 2016, choveu menos, mas os dias de chuva ácida mantiveram-se em 66, o que equivale a 18 por cento do ano, tal como em 2015.

 

Em termos de consumo, Macau gastou mais água e produziu mais lixo. As Estações de Tratamento de Águas Residuais receberam mais 20 por cento de resíduos; já a Central de Incineração tratou 503 mil toneladas de resíduos sólidos, mais dois por cento do que em 2015.

 

A quantidade de lixo doméstico também aumentou, uma subida de cinco por cento, para 239 mil toneladas.

 

A tendência foi acompanhada por um aumento da densidade populacional: 21.400 pessoas por km2, mais 300 do que em 2015.

 

A maior parte das queixas sobre a poluição do ar está relacionada com fumos e cheiros provenientes de restaurantes e de espaços comerciais.