Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Assumpção “foi um exemplo”, diz autora da Fotobiografia
Sábado, 08/04/2017

Recordar a figura e obra de Carlos d’ Assumpção. É esta a intenção geral da Fotobiografia que hoje ás 15 horas é apresentada, no Albergue da Santa Casa da Misericórdia, organizada pela historiadora Celina Veiga de Oliveira. O trabalho reúne um conjunto de fotografias e textos em volta da vida, e dos trabalhos, do primeiro presidente da Assembleia Legislativa de Macau e uma das figuras políticas de destaque da comunidade macaense.

 

“Este é um livro que tem essa função de falar de novo de Carlos Assumpção”, começa por dizer à Radio, a autora. O livro é lançado numa altura em que se assinalam 25 anos da morte de Carlos d’Assumpção. “Morreu muito novo, tinha 63 anos. Fez muita falta a Macau”, frisa. “Acompanhei o trabalho, o exemplo, a inteligência, a elegância de atitudes, o amor a Macau, a ligação fantástica que ele tinha a Portugal, o respeito pela China”. A historiadora destaca a “figura consensual” de Assumpção. “Era muito estimado pelos portugueses e pelos chineses”. E, acrescenta, “foi um mediador diplomático entre as duas comunidades”.

 

Celina Veiga de Oliveira é também membro da Sociedade Portuguesa de Geografia e, a propósito dos 150 anos do nascimento do escritor Camilo Pessanha adiantou que estáo em marcha os preparativos do programa de celebrações. Vão ser dois dias em que se destaca uma grande conferência com académicos e a provável presença do presidente português, Rebelo de Sousa,  na inauguração, uma visita guiada ao espólio de Camilo Pessanha depositado no Museu do Oriente várias exposições, entre elas, uma com Clepsidras, a obra única de Pessanha, “muito originais”.