Em destaque

19 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.16 patacas e 1.12 dólares norte-americanos.

Há menos clínicas autorizadas a receber vales de saúde
Sexta, 24/03/2017

A cobertura do Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde baixou: há menos 26 clínicas onde podem ser usados os vales de saúde. Os dados foram avançados esta tarde pelo Conselho Executivo, que deu luz verde à continuação do apoio.

 

Em conferência de imprensa, Leong Heng Teng, porta-voz do Conselho Executivo, disse que algumas unidades de saúde ficaram sem licença, mas não detalhou os motivos.

 

O porta-voz optou antes por destacar a descida significativa do número de queixas por utilização abusiva dos vales: no ano passado, houve apenas 11 queixas no ano passado, contra as 134 apresentadas em 2009. Leong associa a descida a uma maior fiscalização: “No total, fizemos 2275 inspecções. Verificamos 493 unidades de saúde que não estão a cumprir a lei. Em relação a algumas, foi cancelada a licença”.

 

Na próxima emissão, os vales de saúde podem ser usados até 31 de Agosto de 2018. O programa abrange apenas os residentes permanentes, mantendo-se o valor de 600 patacas.

 

Para o Conselho Executivo, não se justifica uma actualização. “Durante a discussão pela sociedade, foram apresentadas essas opiniões [favoráveis ao aumento do apoio]. Mas mantemos o valor: é um subsídio complementar. Os idosos com mais de 65 anos já têm assistência medica gratuita e o Governo suporta em parte [os encargos com] algumas doenças”.

 

Também o subsídio para compra de material escolar, destinado aos alunos do ensino universitário, continua em 3 mil patacas.

 

Esta foi outra das propostas em discussão no Conselho Executivo, que mantém a decisão de atribuir o subsídio a três meses de terminar o ano lectivo.