Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

Revista de imprensa de Macau e Hong Kong (Quinta-feira)
Quinta, 09/03/2017

As recomendações da Comissão dos Assuntos Eleitorais da Assembleia Legislativa aos órgãos de comunicação social para a cobertura das campanhas, assim como a decisão do advogado de defesa de Ho Chio Meng de abandonar o caso são duas notícias em destaque na imprensa local.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

 

O Ou Mun diz que os representantes de Macau na Assembleia Popular Nacional (APN) têm de jurar fidelidade à China e não podem receber financiamento estrangeiro. É o que determina um projecto de lei apresentado na APN.

 

O Va Kio faz manchete com a detenção de quatro homens suspeitos de usarem ilegalmente três terminais de pagamento. Os homens terão desfalcado a Union Pay em 260 mil patacas.

 

Ou Mun Tin Toi

 

O canal chinês de rádio da TDM vira, esta manhã, atenções para a Coreia do Norte que rejeita as acusações das Nações Unidas na sequência do lançamento de mísseis. O regime de Pyongyang afirma ter o direito de defender o seu território e culpa os Estados Unidos e a Coreia do Sul pelos seus actos, já que diz serem uma resposta a exercícios militares conjuntos realizados recentemente pelos dois aliados.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

O Hoje Macau titula “regras do jogo” - os órgãos de comunicação social locais foram aconselhados pela Comissão dos Assuntos Eleitorais da Assembleia Legislativa a criarem um padrão de cobertura noticiosa que não viole a lei eleitoral. Em foco ainda Clara Law e Eddie Fong e o “regresso as origens”.

 

A manchete do Jornal Tribuna de Macau diz que “defesa queixa-se de entraves e deixa processo Ho Chio Meng”. O destaque fotográfico remete para a povoação de Lai Chi Vun que “assiste às primeiras demolições” de estaleiros navais. Honras de primeira página no JTM ainda para a notícia de que a “comissão Eleitoral alerta media sobre ‘contravenções’ fora do período da campanha”.

 

A propósito da desistência da defesa de Ho Chio Meng, o Ponto Final escreve “bronca no tribunal”. O advogado Leong Weng Pun tomou a decisão em protesto com o que defendeu ser a parcialidade do colectivo de juízes, em particular de Lai Kin Hong. Espaço ainda para o Festival Literário Rota das Letras: “Clément Baloup, um trotamundos entre vinhetas”.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

No Business Daily o título principal diz “Fénix renascida” – a indústria do jogo está a recuperar de uma queda de mais de dois anos, mas ainda enfrenta numerosas ameaças a curto-prazo. Este diário económico também diz na primeira que o advogado do ex-Procurador, Ho Chio Meng, desistiu do caso.

 

O Macau Daily Times escreve em manchete “advogado de Ho Chio Meng desiste, alega que tribunal está a tomar partidos”. Outra fotografia na primeira remete para o assassinato de Kim Jong Nam: “Malásia diz que família de Kim pode estar com medo de aparecer”.

 

O Macau Post Daily titula que “Comissão Eleitoral pede uma cobertura jornalística ‘justa’ da campanha eleitoral”. Noutro destaque na primeira, este jornal diz que “candidatos de Macau e Hong Kong ao cargo de deputados da APN terão de declarar fidelidade à China e não podem receber fundos do estrangeiro”.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

O China Daily titula “relações entre a China e os Estados Unidos estão na direcção certa”, numa referência às palavras do ministro chinês dos Negócios Estrangeiros, Wang Yi. Em destaque neste jornal oficial chinês está também o presidente Xi Jinping que mantém a promessa da reduzir a pobreza na China.

 

O South China Morning Post também vira atenções para o ministro chinês dos Negócios Estrangeiros que “deu os primeiros sinais” de um plano para a marcação de um encontro entre Xi Jinping e Donald Trump.  “Mulheres de tradições” é o título da fotografia que mostra delegadas à APN vestidas com roupas tradicionais chinesas.

 

O Standard escreve que a Fundação para as Mulheres lançou uma campanha em Hong Kong contra o sexismo e a desigualdade de género no trabalho.