Em destaque

19 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.16 patacas e 1.12 dólares norte-americanos.

Ho Chio Meng: “Não quis fugir"
Sexta, 03/03/2017

No final da sessão de hoje, onde foi ouvida durante mais de cinco horas as investigadora principal do Comissariado contra a Corrupção, Ho Chio Meng pediu a palavra em Tribunal para dizer pela primeira vez que não sabia das intenções de Mak Im Tai.

 

O ex-Procurador, que já admitiu que este empresário era seu amigo, disse desconhecer por completo que o co-arguido no processo terá montado empresas fachada para ficar com contratos do Ministério Público. Se soubesse, disse, “nunca teria adjudicado quaisquer contratos, nunca permitiria que isso acontecesse”. O ex-Procurador diz até estar “arrependido” de ter adjudicado os serviços.

 

Ho Chio Meng anunciou ainda que tinha sido alvo de um processo disciplinar em Maio de 2015 “interposto por um dirigente”, cujo nome não quis revelar. Isto porque o dirigente o impediu de tirar licença sem vencimento “por estar a decorrer um processo judicial” contra o ex-Procurador. Ho Chio Meng saiu, ainda assim, do território por “estar doente”, o que levou a que o processo disciplinar fosse levantado. Ho relembra que estava ainda a desempenhar funções quando foi detido e assegurou em tribunal que ia sair apenas para receber tratamento médico e que “nunca quis fugir do território, sempre quis ficar e enfrentar” o que quer que fosse.

 

Segundo o testemunho da investigadora principal do CCAC, os arguidos já saberiam estar a ser investigados desde o final de 2014, tendo Ho Chio Meng entrado e saído de Macau por várias vezes.