Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Ho Chio Meng nega alegado extravio de peças apreendidas
Quinta, 19/01/2017

O Tribunal de Última Instância tentou hoje perceber como é que três peças de madeira de agar, alegadamente extraviadas de um processo crime em curso, apareceram no Ministério Púbico, um dia depois de Ip Son Sang ter perguntado a Ho Chio Meng pelo paradeiro das provas. A acusação diz que as peças de madeira valiosa, apreendidas pelos Serviços de Alfândega, estavam na residência do ex-Procurador – uma tese desmentida pelo arguido. 

 

O gabinete de Ip tentou localizar a aquilária a 5 de Fevereiro, certo de que uma das peças supostamente extraviadas estava na “sala de descanso para docentes do MP”, de acesso reservado e mandada construir por Ho Chio Meng. Não estava. “O Procurador Ip Son Sang mostrou-me a fotografia [da peça de madeira] e perguntou-me onde estava. Disse-lhe que estava no 6ª andar. O pessoal do CCAC já lá estava todo à minha espera; fazem as coisas ao mesmo tempo”, contou Ho Chio Meng. 

 

O ex-Procurador é então conduzido ao Comissariado contra a Corrupção para ser ouvido. “Saí já tinha escurecido e fui ao Gabinete de Ligação. Fiquei uma hora e tal e regressei ao MP. Fui eu quem transportou a aquilária do 6º andar para a sala de arquivo. Foi na própria noite, não foi no dia seguinte. Comuniquei a Ip Son Sang. Há registos disto”, alertou Ho Chio Meng. 

 

O TUI pediu ao MP para juntar ao processo o documento que atesta a versão do ex-Procurador.