Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Mão-de-obra importada volta a cair em Novembro
Quarta, 28/12/2016

A mão-de-obra importada de Macau voltou a diminuir em Novembro, em termos anuais homólogos.

 

De acordo com dados da Polícia de Segurança Pública, disponíveis no portal dos Serviços para os Assuntos Laborais, Macau tinha no mês passado 177.897 trabalhadores não residentes, menos 2,38 por cento do que no mesmo mês de 2015, ou menos 4349.

 

Em Novembro, a China continuou a ser a principal fonte de mão-de-obra importada de Macau, com 113.529 trabalhadores, seguida das Filipinas (26.565) e do Vietname (14.859).

 

O sector dos hotéis e restaurantes continua a absorver a maior fatia de mão-de-obra importada (com 49.666), e a seguir vem a construção, com 35.465.

 

Segundo a análise da agência Lusa, é neste sector da construção que se nota a maior diminuição de trabalhadores não residentes: eram 44.576 no final de Novembro de 2015, ou seja, diminuíram 20,4 por cento.

 

Em Macau, a mão-de-obra importada equivalia a 45,6 por cento da população empregada do território no final de Outubro.

 

Em Setembro, o número de trabalhadores não residentes havia já caído 474 em comparação com Setembro de 2015, a primeira diminuição, em termos anuais homólogos, desde Novembro de 2010.