Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

São Tomé e Príncipe corta relações com Taiwan
Quarta, 21/12/2016

O Governo de São Tomé e Príncipe anunciou o corte de relações diplomáticas com Taiwan e o reconhecimento da República Popular da China. A decisão saiu de um Conselho de Ministros, realizado na última noite.

 

"O Governo da Republica Democrática de São Tomé e Príncipe, após consulta com o chefe do Estado”, lê-se no documento, “decidiu nesta data cortar formalmente as relações diplomáticas estabelecidas com Taiwan". “Neste sentido, o Conselho de Ministros orientou o ministro dos Negócios Estrangeiros e Comunidades para, pelos canais oficiais, tomar imediatamente todas as disposições adequadas".

 

Assim as coisas, e depois da eleição do novo presidente da República Evaristo Carvalho, São Tomé vai passar a integrar o Forum Macau para a Cooperação com os países de língua portuguesa.

 

Esta reviravolta da política externa do pequeno arquipélago africano é apenas o corolário de uma aproximação a Pequim, que nos últimos anos se tinha intensificado - através de visitas de dirgentes são tomenses a Pequim, nos convites para seminários económicos ou mesmo em Macau, através de actividades do Fórum onde, até agora, São Tome não tinha assento.

 

A China é um dos maiores investidores no continente africano. Cortou relações diplomáticas com São Tomé e Príncipe, em 1997, quando o país africano estabeleceu contactos oficiais com Taipé que Pequim considera província rebelde.

 

Nestes últimos anos, Pequim e Taipé tinham vindo a intensificar a cooperação económica. São Tomé e Príncipe, um dos países mais pequenos de África, era atualmente a única nação de língua portuguesa com relações diplomáticas cortadas com Pequim.

 

Com esta decisão de Sao Tomé, só dois países africanos mantêm relações com Taipé: o Burkina Faso e Suazilândia.