Em destaque

21 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.21 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

Leong Veng Chai quer que Governo investigue nepotismo
Quinta, 15/12/2016

O deputado Leong Veng Chai quer que o Governo nomeie uma “equipa independente de investigação” à denúncia feita por Ho Chio Meng em tribunal.

 

No julgamento em que é arguido, o ex-procurador disse na segunda-feira que duas secretárias de apelido Chan lhe recomendaram pessoas para o Ministério Público contratar.

 

Pelo menos a actual secretária para a Administração e Justiça, Sónia Chan, admitiu ter feito a recomendação, em 2008.

 

Hoje, numa intervenção antes do período da ordem do dia, Leong Veng Chai, o segundo deputado eleito pela lista comandada por Pereira Coutinho, defendeu que os “titulares de cargos principais devem evitar situações de benefícios” e pediu uma investigação ao caso.

 

Sem nunca nomear Sónia Chan ou Florinda Chan, a anterior secretária para a Administração e Justiça, Leong Veng Chai afirmou que “segundo Ponto Final, houve titulares de principais cargos que aproveitaram os seus cargos para abusar do poder em proveito próprio, ajudando os seus familiares a acederem a emprego no Governo”.

 

Assim, o deputado entende que “o Governo deve, em cumprimento da vigente legislação da Função Pública, proceder, de imediato, à constituição de uma equipa independente de investigação disciplinar, para apurar a verdade dos factos e exigir responsabilidades. O Governo não pode esquecer que o recrutamento central tem por objectivo acabar com o nepotismo existente há muito tempo na sociedade e nos serviços públicos, para disponibilizar um regime são, em prol da materialização da transparência, igualdade, abertura e justiça do Governo”.

 

Na sua intervenção antes da ordem do dia, também Pereira Coutinho defendeu que “temos assistido a muitas condutas de altos quadros da função pública que mal formados e sem princípios éticos que convivem todos os dias com mandos e desmandos, actos desonestos, corrupção e falta de ética propagando uma ‘cultura’ de aproveitamento em benefício próprio dentro da função pública”.