Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Jovens de Macau estão a consumir menos drogas na China
Terça, 13/12/2016

Dados do registo central dos toxicodependentes, citados hoje pela Comissão de Luta contra a Droga, revelam que durante 2016 foi registada a percentagem mais baixa, dos últimos oito anos, de consumo de drogas na China por parte dos jovens de Macau. Os casos de consumo além-fronteira representaram 40 por cento do total, e desses apenas 10 por cento envolveram residentes com menos de 21 anos.

 

Apesar desta descida recorde, a comissão discutiu, na reunião desta manhã, os planos da tutela da Segurança de colocar alguns limites à ida de jovens sozinhos para a China. “Na verdade, o consumo de droga na China não é o único motivo para essa legislação. A proibição é mais para uma protecção geral dos jovens. Por isso, não se concentrem no motivo”, explicou, aos jornalistas, a directora do departamento de Prevenção e Tratamento da Dependência do Jogo e da Droga do Instituto de Acção Social.

 

Segundo Hoi Ya Pou, o IAS só quis ouvir as várias opiniões dos membros da comissão, “numa fase preliminar”. “A proibição de os jovens irem sozinhos para a China, ainda está numa fase muito preliminar. A legislação é da responsabilidade da tutela da Segurança. Discutimos este tema na comissão porque nos preocupamos também com a protecção dos jovens, por isso, quisemos ouvir a opinião dos membros.”

 

A comissão avançou ainda que foi verificada este ano uma descida significativa no número total de casos de consumo transfronteiriço, para 30 por cento, quando a percentagem era de 63 por cento, em 2015. Anunciada foi ainda a queda, em 4 por cento, do número de toxicodependentes registados durante o primeiro semestre deste ano.

 

Nos planos do Governo está ainda o agravamento da moldura penal para o consumo de droga, numa altura em que, segundo os dados da Segurança, também desceu o número de crimes relacionados com estupefacientes. O diploma que revê a lei da droga, e prevê o endurecimento das penas para crimes relacionados, será votado pelos deputados na especialidade, na quinta-feira.

 

Questionada sobre essa situação contraditória, Hoi Ya Pou disse que a comissão não discutiu detalhes. “Não discutimos em pormenor porque a proposta ja foi levada à Assembleia Legislativa. O que esperamos é que a proposta de lei seja aprovada o mais rapidamente possível. Da nossa parte, o trabalho mais importante é aumentar a sensibilização e promoção da nova lei na sociedade.”

 

Analisando a diminuição dos crimes relacionados com estupefacientes, os representantes do IAS, na Comissão de Luta contra a Droga, alertaram ainda para a possibilidade de existência de muitos casos de consumo escondido.