Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

James Wong prepara 20 peças de arte para Bienal de Veneza
Segunda, 05/12/2016

James Wong é o artista escolhido para representar Macau na Bienal de Veneza, que se realiza entre 30 de Maio e 26 de Novembro, em Itália. A escolha foi feita pelo Museu de Arte de Macau (MAM), que considerou 40 artistas na fase de selecção.

 

Aos 59 anos de idade e com mais de 20 de carreira, James Wong foi escolhido pelo estilo, pela afirmação no circuito locai e asiático, e pelo olhar sobre a nova Macau.

 

A directora da Escola de Artes do Instituto Politécnico, Hsu Hsiu-Chu, que faz parte da comissão de selecção, descreve o percurso de um artista reconhecido entre pares e grande público que, “nos últimos anos, reflectiu sobre o desenvolvimento de Macau”.

 

É este o tema que James Wong vai levar a Itália. O artista está a trabalhar num conjunto de 20 peças, entre pinturas, vídeo e esculturas tridimensionais.

 

Wong fala numa abordagem indirecta e exemplifica com uma referência à arte dos Bonsais. “Temos esta tradição antiga. A maioria dos intelectuais adora criar o seu pequeno mundo, cortando os ramos das arvorezinhas ou tratando das pequenas montanhas que criam neste pequeno jardim. Uma das obras é uma cabeça cortada pela metade, com um bonsai em cima – tento que seja uma pequena descrição sobre o que sinto ao longo destes 20 anos de mudanças em Macau”, diz.

 

Wong sublinha a contradição entre a socialização e a necessidade de isolamento – um conflito que parece resumir um dos efeitos do rápido crescimento de Macau. “Perguntam-me como me sinto em relação a isso. Sinto o mesmo que toda a gente que vive aqui. Macau está a ficar superpovoada, sentes que estás sempre congestionado por alguma coisa... Espaço, pessoas a andar a rua... É até difícil reservares mesa no teu restaurante. Sentes que há muita gente a partilhar o teu espaço - espaço que devia ser suficiente para todos”.

 

James Wong entende, no entanto, que este é o preço a pagar por um modelo económico assente no turismo. Pergunta apenas se este é um fenómeno passageiro ou se será sempre assim.

 

James Wong é actualmente presidente do Centro de Pesquisa de Gravura de Macau.

 

Esta é a sexta participação de Macau na Bienal de Veneza. Desde 2013, que a selecção é feita por convite. Miu Pang Fei foi o último artista a representar Macau, em 2015.

 

Além de Hsu Hsiu Chu, fazem parte do júri, Chan Hou Seng, director do MAM; António Conceição Junior, como consultor de arte do museu; Ng Fong Chao, curador do MAM; e o artistas Wong Ho Sang.