Em destaque

18 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.20602 patacas e 1.1314 dólares norte-americanos.

LAG: “Não estamos a meter dinheiro público ao bolso”
Sexta, 02/12/2016

A saúde foi a área da pasta de Alexis Tam mais criticada esta tarde na Assembleia Legislativa, durante o debate das Linhas de Acção Governativa dos Assuntos Sociais e Cultura. Sem anunciar novas medidas, o secretário pediu mais compreensão aos deputados.

 

“Espero que sejam um pouco mais tolerantes. Estamos a trabalhar arduamente, com todo o empenho, em prol do sistema de saúde de Macau”, afirmou Alexis Tam. O Governante deu ainda conta de uma “coesão na equipa do hospital”, “tanto entre os que estão nos cargos mais altos, como os trabalhadores de outros níveis”.

 

A ligeira subida do orçamento dos Serviços de Saúde para 7,2 mil milhões de patacas foi um dos pontos mais criticados. Há deputados que duvidam que o dinheiro seja gasto no hospital e centros de saúde públicos.

 

Alexis Tam justificou o aumento da despesa com a compra de novos medicamentos e deu o exemplo dos tratamentos da Hepatice C. “Queremos que a população consiga ser curada através da administração de medicamentos de alta qualidade. Por isso, aumentámos as nossas as despesas e no orçamento verifica-se esta intenção de melhorar os serviços médicos”, disse. E acrescentou: “Não estamos a meter dinheiro público no bolso. Pelo contrário, estamos a gastá-lo na vida da população”.

 

Só desde Agosto é que o serviço público de saúde tem disponível o medicamento que oferece uma taxa de cura de 90 por cento contra a Hepatite C.

 

Em Macau, há 200 pessoas com Hepatite C crónica.

 

Alguns dos doentes regressaram a Portugal por não haver, na altura, tratamento eficaz contra o vírus.