Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

Revista de imprensa de Macau e Hong Kong (Terça-feira)
Terça, 29/11/2016

As medidas para o combate à criminalidade e a dificuldade da tutela da Segurança em contratar funcionários são algumas notícias que os jornais de Macau realçam a propósito do debate sectorial de ontem na Assembleia Legislativa. Em Hong Kong, há temas diferentes nas primeiras páginas, sendo que um deles destaca o encontro de Xi Jinping e António Guterres.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

 

O Ou Mun destaca o debate sectorial na Assembleia Legislativa com o secretário para a Segurança. Wong Sio Chak anunciou que os pais de menores vão ter de dar autorização ou acompanharem os filhos que queiram ir à China. A medida está a ser pensada para combater a compra de drogas além-fronteira.

 

O Va Kio também vira atenções para esse debate, mas escreve que o secretário quer mais dados estatísticos e científicos para combater a criminalidade.

 

Ou Mun Tin Toi

 

O canal chinês de rádio da TDM coloca em foco, esta manhã, um incêndio que deflagrou no armazém de livros da biblioteca itinerante do Instituto Cultural na Ilha Verde. O incêndio resultou na destruição de alguns livros e por ficar perto de um edifício residêncial à evacuação do local de 40 pessoas. Os bombeiros suspeitam de mão criminosa e as autoridades estão a investigar.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

“O da guarda!” é o título do Hoje Macau sobre a revisão das forças de segurança - recursos humanos escassos e condições de trabalho pouco atractivas são algumas das razões que levam o Governo a mexer no estatuto. Ainda referência na primeira para uma entrevista a Jorge Forjaz sobre “as raízes da existência”.

 

No Jornal Tribuna de Macau lê-se “candidatos ‘fiéis’ poderão renunciar a ideais do passado”. Na avaliação à declaração de fidelidade à Lei Básica e à RAEM, a comissão eleitoral poderá dar aos candidatos à Assembleia Legislativa a possibilida­de de renunciarem a posições “pró-independência” eventualmente assumidas no passado. O destaque fotográfico é feito com o Encontro das Comunidades Macaenses: “trabalhar ‘mais em rede’ com as Casas de Macau”.

 

O Ponto Final escolhe para manchete a frase “onde pára a polícia?”, a propósito do alerta do secretário Wong Sio Chak. O Governo enfrenta cada vez mais dificuldades para recrutar pessoal para a área da segurança e a lacuna começa a fazer-se notada em todas as vertentes. Sobre a revisão à lei eleitoral, este diário escreve “os papistas e o papa".

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

O Business Daily escreve em manchete “a manter-nos seguros” – as forças de segurança têm dificuldade em contratar por causa da competição do sector privado. Este diário financeiro vira ainda atenções para o valor de pensões privadas no território que regista subida anual de 17,6 por cento em Setembro.

 

O Macau Daily Times titula “carros de Macau podem entrar na Ilha da Montanha a partir de 20 de Dezembro”. A fotografia e o título de rodapé remetem para uma notícia sobre a “pobreza e desespero que marcam a nova geração de rebeldes Filipinos”.

 

No Macau Post Daily foca a declaração de fidelidade que vai ser pedida aos candidatos a deputados. A secretária para a Administração e Justiça, Sónia Chan, diz que é uma medida de “precaução”. Este jornal publica ainda uma imagem do encontro entre o presidente chinês, Xi Jinping, e o secretário-geral designado das Nações Unidas, António Guterres

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

O China Daily publica também uma fotografia do presidente chinês com António Guterres. O jornal oficial chinês escreve que Xi Jinping se compromete a dar “um forte apoio” às Nações Unidas.

 

No South China Morning Post em destaque está o protesto diplomático da China junto de Singapura. Pequim avisa a cidade-estado de que nenhuma nação com relações diplomáticas com a China deve ter ligações ou cooperar com Taiwan. Em causa, o facto da Alfândega de Hong Kong ter parado nove veículos de combate que vinham da ilha formosa com destino a Singapura.

 

A primeira do Standard é feita quase exclusivamente de publicidade. Numa pequena chamada, lê-se “a visão apaixonada da inconformada Carrie Lam”.