Em destaque

21 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.21 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

Chui convida macaenses da diáspora a “beber água do Lilau”
Segunda, 28/11/2016

Os macaenses são uma “parte integrante e indispensável” de Macau. A afirmação é do Chefe do Executivo, Chui Sai On, que participou ontem na cerimónia de abertura do Encontro das Comunidades Macaenses – o 5º desde a transição.

 

No discurso,  Chui Sai On sublinhou a “contribuição importante” dos macaenses no diálogo entre portugueses e chineses, falou da água do Lilau e numa comunidade “rica em memórias colectivas”, comuns a toda a diáspora. “As distâncias geográficas nunca conseguiram apagar a memória colectiva: Macau é a terra Mãe.

 

Apesar da enorme mudança verificada, nos últimos anos, na fisionomia urbana, mantém-se inalterada a tradição cultural da cidade, que se caracteriza pela abertura, tolerância e coexistência diversificada”, afirmou. O Chefe do Executivo desafiou os “amigos macaenses, vindos de tão longe” a “irem beber a água do Lilau, comer mais um pastel de nata e subir, uma vez mais, o Monte da Guia”. 

 

Já Leonel Alves disse, ontem, que é “um orgulho imenso” ser macaense, diz , ao fazer um ponto de situação sobre a comunidade dentro e fora de Macau. O deputado e presidente do Conselho Geral do Conselho das Comunidades Macaenses diz que os Encontros já fazem parte da agenda local e mostram uma sociedade interessada em proteger a sua identidade. 

 

“Estes Encontros continuam a contribuir para o fortalecimento de Macau como cidade multicultural, orgulhosa da sua diversidade e capaz de proteger a sua identidade e história”, disse Leonel Alves, enquanto discursava no jantar do Encontro das Comunidades Macaenses. 

 

Leonel Alves acredita que os participantes  vindos dos “quatro cantos do mundo” “vão fortalecer o orgulho colectivo” e conhecer também a “verdadeira Macau” que “hoje é falada e conhecida em todo o mundo”.