Em destaque

19 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.16 patacas e 1.12 dólares norte-americanos.

Revista de imprensa de Macau e Hong Kong (terça-feira)
Terça, 08/11/2016

Em grande destaque na imprensa portuguesa surge, esta terça-feira, a decisão de Pequim de interpretar a Lei Básica de Hong Kong.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

O Ou Mun destaca na edição, desta terça-feira, a proposta de subida do valor da tarifas dos parquímetros. Não são actualizadas há trinta anos. A intenção do Governo aponta para uma subida para o dobro do actual valor das tarifas.

 

O Va Kio prefere destacar a saída dos patrões da reunião, ontem, da comissão executiva do conselho permanente da Concertação Social.

 

Canal chinês da Rádio Macau

O Ou Mun Tin Toi tem vindo, ao longo da manhã, a dar atenção às eleições nos Estados Unidos.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

O jornal Ponto Final titula “Política segundo o sistema” a propósito da decisão da Assembleia Nacional Popular de interpretar a Lei Básica de Hong Kong. Em rodapé, “Um domingo para a história”, por causa do primeiro transplante renal feito em Macau, no Hospital Conde São Januário.

 

No Hoje Macau, dois rostos imperam na primeira página, a dos deputados impedidos de tomar posse em Hong Kong. “Pontapé de saída” é a manchete, em referência à decisão da Assembleia Popular Nacional. Outro título prende-se com o Fórum Macau – “As farpas de Coutinho”.

 

No Jornal Tribuna de Macau, domina na primeira página o galo da artista plástica Joana Vasconcelos, ontem inaugurado, em Lisboa, mas nota o jornal que “Pop Galo vai cantar na China”. A manchete diz que a “Nova Juventude Chinesa quer mais português na primária”.

 

 

Jornais de Macau em língua inglesa

O Macau Daily Times diz, na gorda, que “Assembleia Nacional Popular governa na região administrativa de Hong Kong”, a propósito da decisão de Pequim de interpretar a Lei Básica. Noutro título, em rodapé, “Abu Sayyaf diz que raptou alemães, uma mulher morta”.

 

O Business Daily afirma, na manchete, que “Economia continua a ajustar-se”. O jornal reúne uma série de dados do comérico e indústria e também do mercado imobiliário para concluir que a economia está a reanimar.

 

O Macau Post Independent prefere destacar, na manchete, o transplante renal no Hospital Conde Sao Januário. “Um sucesso, diz o governo”, é o título maior desta edição. Outro título refere-se à rejeição do Vaticano de uma auto-ordenação de um padre na China que se nomeou bispo.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

O South China Morning Post puxa para a primeira a decisão da Assembleia Nacional Popular que, diz o jornal, “dita as regras sobre os juramentos”. Em rodapé, “Alívio na campanha de Clinton depois da posição de última hora do FBI”.

 

O China Daily observa num dos título maiores da capa - “Lealdade obrigatória para tomar posse em Hong Kong”, numa referência, ao que o jornal chama de clarificação legal.

 

O The Standard fala do mesmo assunto na primeira- “Pequim esmaga activistas indy”. O jornal admite ainda, noutro título, “provável eleição intercalar” por causa da decisão da Assembleia Nacional Popular.