Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

Segundo apoio financeiro para PME pode chegar ainda este ano
Sexta, 04/11/2016

O director dos Serviços de Economia, Tai Kin Ip, espera poder começar a distribuir a ajuda financeira, prevista no segundo plano de apoio para as Pequenas e Médias Empresas (PME), entre “o final deste ano e o início do próximo ano”. Ontem, o secretário para a Economia e Finanças anunciou que a revisão do plano irá permitir a essas empresas requerer uma nova verba, também isenta de juros. O plano, que visa reforçar as condições para o desenvolvimento das PME, está actualmente nas mãos dos Serviços de Justiça que, segundo Lionel Leong, devem finalizar a revisão até ao final do mês.

 

Hoje, o director dos Serviços de Economia, Tai Kin Ip, disse acreditar que o dinheiro vai chegar em breve às empresas de menor dimensão. “Por enquanto, o projecto em si está numa fase final (...) depois vamos entrar no processo legislativo, creio que isso não vai demorar muito tempo. Vamos esperar que até ao final do ano ou início do próximo, assim que forem aprovados os respectivos diplomas, possamos arrancar logo com o segundo apoio”, afirmou Tai Kin Ip, em declarações à Rádio Macau.

 

Segundo este responsável, as PME podem usar o dinheiro para vários fins, tal como aconteceu no primeiro plano de apoio. “Temos tentado satisfazer as suas necessidades, em termos de apoios financeiros, de acordo com os seus projectos, seja de ampliação, de abertura de nova loja ou de remunerações.” Tai Kin IP prevê ainda que, com a segunda tranche de subsídios, beneficiem de uma maior perspectiva de desenvolvimento as empresas dos sectores “da construção, do retalho e de serviços”.

 

Tai Kin Ip fez ainda um balanço do primeiro plano de apoio às PME. Até Outubro deste ano, o Governo recebeu mais de 9600 pedidos de financiamento. Desses foram aprovados 8500 a envolver um valor próximo dos 2,4 mil milhões de patacas. Entretanto, o Executivo já recebeu metade do valor em amortizações dos empréstimos, perto de 1,2 mil milhões.

 

O director admite que, além do dinheiro, um dos principais problemas que as PME enfrentam é a escassez de recursos humanos, mas garante que os serviços que lidera defendem a facilitação da contratação a essas empresas. “Também temos recebido opiniões das PME acerca da mão-de-obra e temos entrado em contacto com os nossos parceiros do Governo nesta área, nomeadamente a Direcção dos Serviços para os Assuntos Laborais, de modo a facilitar o pedido das PME em termos de satisfazer as suas necessidades de recursos humanos.”