Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

Crise dos refugiados e as fotos de Mário Cruz na Casa Garden
Quinta, 29/09/2016

A exposição World Press Photo abre amanhã ao público, na Casa Garden. A Casa de Portugal volta a trazer a Macau algumas das melhores imagens do maior concurso de fotojornalismo do mundo: são 155 fotografias e há trabalhos de todos os fotógrafos premiados, nas oito categorias. A crise dos refugiados e a série do português Mário Cruz que ajudou a mudar o mundo destacam-se na edição deste ano.

 

Começamos pela história, contada a preto e branco, de rapazes, entre os cinco e os 15 anos, que vivem em escolas islâmicas no Senegal e na Guiné-Bissau. Esta é a história completa destes rapazes: a pretexto de aprenderem o Corão, são separados da família, forçados a mendigar e sofrem abusos físicos. O fotojornalista da agência Lusa Mário Cruz chamou-lhes “Talibés, Escravos dos Tempos Modernos” na reportagem que fez e que lhe valeu o primeiro prémio na categoria de Temas Contemporâneos do World Press Photo.

 

Após seis meses de investigação, Mário Cruz conseguiu um poderoso ensaio que fez com que algumas destas crianças deixassem de ser escravas. “É um dos poucos fotógrafos que, realmente, conseguiu mudar alguma coisa por causa da série de fotografias que fez – porque ele fez esta série, publicou-a e foi tornado público que isto estava a acontecer. O Governo local foi obrigado a abrir uma investigação. Por causa desta série muitas crianças foram libertadas”, conta a curadora da exposição em Macau, Sanne Schim van der Loeff.

 

A crise dos refugiados é o grande tema da exposição. Em Macau, está também a imagem do ano: dois homens, na fronteira entre a Sérvia e a Hungria, tenham passar um bebé pelo buraco de uma vedação de arame farpado. Foi esta a fotografia que venceu o prémio principal do World Press Photo.

 

Sanne Schim van der Loeff diz que o segundo grande tema é a relação entre os homens e o ambiente – das catástrofes naturais, como o terramoto no Nepal, ao smog de Tinjian. A curadora resume os critérios do juri para escolher as melhores imagens: “Quando o júri faz uma selecção das fotografias olha para duas coisas: o valor estético das fotografias e o valor notícia... Coisas que são consideradas importantes e que foram fotografadas de uma maneira que fizeram a história ainda mais forte. O facto de estes dois temas serem tão dominantes diz muito acerca daquilo em que pensámos no ano passado”.

 

No concurso deste ano, o júri do Word Press Photo recebeu quase 83 mil imagens, apresentadas por mais de 57 mil fotógrafos.

 

A exposição fica na Casa Garden até 23 de Outubro.