Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

Marreiros desvaloriza críticas ao projecto da biblioteca
Terça, 27/09/2016

A maioria dos membros do Conselho do Património Cultural apoia o Governo na transformação do edifício do antigo tribunal na nova Biblioteca Central, mas também há quem defenda que o projecto volte à estaca zero. Entre os que dão luz verde ao projecto, está o arquitecto Carlos Marreiros que diz que assim não dá: “Nós, em Macau, não podemos continuar assim. Sempre que fazemos alguma coisa, há alguém que tem umas opiniões opostas e tudo pára. Mas agora temos de avançar. Não podemos continuar assim”.

 

A localização do projecto no antigo tribunal é uma das críticas mais comuns ao projecto do Governo. O deputado Tommy Lau destaca-se entre os membros que defendem que esta é opção mais cara e mais difícil de executar por exigir a preservação das fachadas do edifício.

 

 

Já Carlos Marreiros diz que, em Macau, só se fala em custos altos quando o assunto é cultura. Mais: defende que o orçamento de 900 milhões de patacas não é caro para o tipo de projecto em causa. “Se é 30 mil [patacas] por metro quadrado é 30 mil por metro quadrado. É assim. Porque é que, em Macau, usam tanto dinheiro para fazer outras coisas, mas em questões de matéria cultural, têm tanta opinião quando falamos de custos?”, observa.

 

O Instituto Cultural espera que a nova Biblioteca Central entre em funcionamento antes de 2020, com capacidade para receber oito mil pessoas por dia.