Em destaque

19 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.16 patacas e 1.12 dólares norte-americanos.

Revista de imprensa de Macau e Hong Kong (Terça-feira)
Terça, 20/09/2016

O homicídio num restaurante de rua no Bairro da Horta da Mitra está em destaque nos jornais chineses de Macau. A promessa da China de ajuda financeira para a resolução da crise dos refugiados é outro tema em foco, tanto na imprensa local como de Hong Kong.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

 

O jornal Ou Mun ocupa a primeira página com textos sobre um homicídio que aconteceu na noite de domingo para segunda-feira. Um homem de cerca de 50 anos foi esfaqueado no Bairro da Horta da Mitra e o diário publica várias fotografias do local onde foi cometido o crime.

 

O Va Kio tem a mesma abordagem e conta que os dois envolvidos no caso, a vítima e o agressor, discutiram depois de terem estado a ingerir bebidas alcoólicas. 

 

Ou Mun Tin Toi

 

O canal chinês de rádio da TDM tem estado a dar conta dos assuntos em cima da mesa no segundo plenário deste ano do Conselho para o Desenvolvimento Turístico, uma reunião que está a decorrer e que tem, entre outros temas, o Grande Prémio de Macau e o plano de optimização da Taipa. Do alinhamento da emissora faz ainda parte a notícia sobre a ajuda financeira que a China promete dar aos Estados Unidos para o apoio aos refugiados.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

“Mestres da integração” escreve o Hoje Macau. A Universidade de São José tem desde ontem um novo mestrado dirigido à Educação Especial e Inclusiva. O plano visa colmatar a falta de profissionais na área e melhorar a formação daqueles que já trabalham com crianças “excepcionais”. Em grande plano nesta edição estão os “painéis solares”.

 

A manchete do Jornal Tribuna de Macau diz “exame unificado já é fonte de negócio”. Embora só esteja agendado para o período de 30 de Março a 2 de Abril, o exame unificado de acesso a quatro instituições de ensino superior já está a levar muitos estudantes aos centros de explicações. O destaque fotográfico é feito com jovens que “abrem loja criativa”.

 

O Ponto Final titula “estaleiros em brasa” - multiplicam-se os casos de despedimento nas obras dos grandes empreendimentos de jogo do Cotai. Ontem, dois grupos de trabalhadores protestaram no exterior das instalações da Direcção dos Serviços para os Assuntos Laborais. Sobre a Biblioteca Central, este matutino diz “um concurso à procura de consenso”.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

O Business Daily destaca o desempenho dos hotéis de Macau. O jornal financeiro diz que os preços sofreram uma queda anual de 12,2 por cento em Agosto, mas, por outro lado, a taxa de ocupação aumentou 4,4 por cento. Este diário dá ainda conta de trabalhadores insatisfeitos na construção do Grand Lisboa Palace.

 

A manchete do Macau Daily Times é feita com os resultados de um relatório da Economist Inteligence Unit que prevê que a economia local vá contrair 5,9 por cento em 2016. Em rodapé lê-se “problemas das trabalhadoras domésticas asiáticas em destaque na cimeira das Nações Unidas”.

 

O Macau Post titula “cidadão chinês ameaça jogadores com ‘seringa com VIH’”. A Polícia de Segurança Pública disse ontem ter detido o suspeito na quinta-feira. Ainda em foco, o primeiro-ministro chinês na Cimeira sobre Refugiados e Migrantes das Nações Unidas. Li Keqiang anunciou uma ajuda financeira de 100 milhões de dólares para ajuda humanitária no âmbito da crise dos refugiados.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

O China Daily vira tambem atenções para a Assembleia-geral das Nações Unidas, em Nova Iorque: “China promete ajuda para resolver crise dos refugiados”, é o título. O primeiro-ministro, Li Keqiang, falou de uma ajuda financeira na ordem dos 100 milhões de dólares para países e grupos internacionais. O destaque fotografico é feito com Hangzhou, na provínicia de Zhejiang, onde têm afluído “turistas curiosos”.

 

O South China Morning Post escreve em manchete “divergências no topo por causa de projecto de habitação” – em causa está a decisão do secretário para as Finanças, John Tsang, de se distanciar do projecto, que tem estado no centro de uma polémica. Antes, o Chefe do Executivo, CY Leung, tinha trazido o nome do secretário para o meio da controvérsia.

 

Sobre o mesmo tema, o Standard titula “passar a bola”. O Chefe do Executivo tentou culpar o secretário para as finanças do plano habitacional para Wang Chau mas John Tsang afirma ter tido pouca responsabilidade no assunto.