Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Plano Quinquenal: Órgão municipal criado em 2019
Quinta, 08/09/2016

O Governo vai avançar com a criação, em 2019, do órgão municipal sem poder político. Os trabalhos para a sua concretização devem ser concluídos dentro de dois anos, segundo está previsto no Plano Quinquenal de Desenvolvimento de Macau. O documento final foi hoje divulgado pelo Governo.

 

No sector das obras públicas, lê-se que a quarta ponte entre Macau e a Taipa deve estar concluída em 2019 e entrar em vigor em 2020.

 

O Governo quer também limitar a 3,5 por cento o aumento anual de veículos.

 

“Pretendemos que, em 2020, o número de autocarros movidos a gás natural aumente até 120, e que os autocarros sem barreiras ocupem 70 por cento do número total dos grandes e médios autocarros”, lê-se no documento. O Governo diz ainda que pretende “abater os autocarros velhos e substituí-los por autocarros de piso baixo equipados de dispositivos de apoio para cadeiras de rodas”.

 

Nos próximos três anos, espera-se ainda instalar 200 postos de carregamento para carros eléctricos.

 

Nos próximos cinco anos, outro objectivo, no que diz respeito ao ambiente, o Executivo quer um aumento do número de dias com ar de boa qualidade – uma subida entre um a quatro por cento.

 

Macau vai também contar com mais árvores – mais 2300 em cinco anos.

 

Na área da educação, já neste ano lectivo o ensino do português passa a ser um “projecto com prioridade de apoio” do plano de desenvolvimento das escolas e “vai ser definido o número mínimo de horas para as escolas particulares com cursos de ensino português”.

 

Quanto ao centro de formação linguística na zona de Seac Pai Van deve entrar em funcionamento em 2019.

 

Na área da saúde quase tudo na mesma nos próximos cinco anos: o número de médicos por cada mil habitantes mantém-se, sobe ligeiramente o número de enfermeiros e de camas hospitalares. Quanto ao Hospital das Ilhas – devem estar concluídos os edifícios de enfermagem e de residências do pessoal em 2019.

 

No apoio aos idosos, esperam-se mais vagas em lares: 2300 em 2018, contra as actuais 1700.