Em destaque

19 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.16 patacas e 1.12 dólares norte-americanos.

Transportes: Táxis por telefone só no próximo ano
Terça, 06/09/2016

Os novos táxis de Macau vão começar a andar na rua só na primeira metade do próximo ano, quase três anos depois de ter chegado ao fim o serviço prestado pelos táxis amarelos. Já há uma vencedora do concurso público para a concessão de licenças especiais e não é a empresa de David Chow, que ficou de fora da corrida porque houve uma candidata que apresentou uma proposta que, para o Governo, apresentava melhores condições.

 

Depois de um processo em que houve lugar a recursos e à exclusão de uma candidata, ganhou a Companhia de Serviços de Rádio Táxi Macau, uma sociedade anónima que tem como director executivo Cheong Chi Man.

 

Apesar de já haver uma vencedora deste concurso – as propostas foram abertas em Janeiro – só no início do próximo ano é que os novos táxis vão circular nas ruas de Macau e não vão entrar todos em funcionamento ao mesmo tempo. A licença diz respeito a cem táxis, mas primeiro começam a andar 50 carros; os restantes têm de estar disponíveis no prazo de um ano desde a data do início da operação.

 

A Companhia de Serviços de Rádio Táxi Macau promete disponibilizar aos clientes wifi, um sistema de diagnóstico a bordo e fazer backup dos dados em caso de acidente grave. A empresa sugeriu uma taxa de chamada de cinco patacas – menos 10 patacas do que a concorrência – e não vai cobrar a taxa de hora marcada, nem a taxa de ausência. Quando estiver a funcionar há dois anos, a companhia pode apresentar uma proposta de revisão dos preços.

 

Esta nova operadora vai ter de disponibilizar o serviço de marcação através de uma página electrónica e aplicações de telemóvel. O concurso obriga ainda à disponibilização de, pelo menos, cinco táxis para pessoas com dificuldades motoras e dez carrinhas com maior capacidade de transporte de passageiros.

 

Além da empresa de David Chow, apresentou-se a concurso uma empresa que ficou logo eliminada na primeira fase do processo: a Companhia Taxigo que, curiosamente, tem o mesmo nome da aplicação que entrou recentemente em funcionamento no território e que se destina à chamada de táxis.