Em destaque

19 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.16 patacas e 1.12 dólares norte-americanos.

Revista de imprensa de Macau e Hong Kong (quinta-feira)
Quinta, 01/09/2016

Em Macau, os jornais dão grande ênfase ao relatório do Comissariado da Auditoria sobre o papel da Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes na ausência de instalações próprias de muitos serviços públicos. Em Hong Kong, os jornais olham já para a cimeira do G20 que vai acontecer, dentro de dias, em Hangzhou.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

 

O Ou Mun tem como tema principal da edição os quatro mil milhões de patacas que o Governo gastou em rendas para os serviços públicos no espaço de 10 anos.

 

O Va Kio opta também por destacar o relatório do Comissariado da Auditoria, referindo que o organismo critica as Obras Públicas por falta de planeamento para resolver o problema das instalações para os serviços públicos.

 

Canal chinês da Rádio Macau

 

A Ou Mun Tin Toi tem estado esta manhã a dar conta do início do ano lectivo para muitos estudantes do território: a emissora saiu à rua e não encontrou situações caóticas de trânsito, com pais e crianças a dizerem que saíram bastante mais cedo de casa para evitarem atrasos.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

O Jornal Tribuna de Macau escreve na manchete que “Comissariado da Auditoria ‘arrasa’ Obras Públicas”. No topo da página, o título “Um porto de abrigo dos trabalhadores migrantes”, a propósito de uma reportagem sobre um serviço prestado pela Caritas.

 

“Sim, senhorio”, lê-se no Hoje Macau, que puxa para as parangonas pelo relatório do Comissariado da Auditoria acerca dos “gastos astronómicos em arrendamento” da Administração. No destaque fotográfico, a Madre Teresa de Calcutá – que vai ser canonizada no próximo domingo, com o título “Missão e sofrimento”.

 

Quanto ao Ponto Final, elege para tema principal da edição os transportes: “Petição pró-Uber soma e segue”. O relatório do Comissariado da Auditoria também merece referência na primeira página – “Puxão de orelhas às Obras Públicas”.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

O Business Daily escreve nas gordas sobre as críticas do Comissariado da Auditoria à Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes, a propósito da falta de planeamento para as instalações de serviços públicos que se encontram em espaços arrendados. O jornal chama ainda à capa os números mais recentes do comércio externo.

 

Quanto ao Macau Daily Times, ocupa a manchete com o facto de a selecção da Síria ter ficado “sem casa” para o jogo com a Coreia do Sul, a contar para a qualificação para o Mundial de 2018 – a partida da próxima semana deveria realizar-se em Macau. No destaque fotográfico, o trânsito e os acidentes na Taipa que aconteceram na noite de terça-feira.

 

Já o Macau Post Daily refere nas gordas que “as rendas das instalações da Administração custaram quatro mil milhões de patacas em 10 anos”, citando o relatório do Comissariado da Auditoria ontem publicado. O jornal reserva quase metade da primeira página à destituição de Dilma Rousseff pelo Senado brasileiro.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

O China Daily dá destaque à presença do primeiro-ministro do Canadá na China e à mensagem deixada por Xi Jinping: o Presidente chinês entende que os dois países devem aumentar a cooperação nos sectores energético, financeiro e tecnológico. Outro assunto em grande plano é o reforço da segurança em Hangzhou, palco da cimeira do G20.

 

Em foco no South China Morning Post está também a cimeira do G20 em Hangzhou, que deverá trazer novidades nas medidas de controlo pela comunidade internacional do sector energético da China e dos Estados Unidos. No destaque fotográfico, a “parceria transpacífico” entre o Canadá e a China, selada com um aperto de mão entre o primeiro-ministro Justin Trudeau e o Presidente Xi Jinping.

 

Por último, o Standard, que tem como notícia principal da edição de hoje um estudo que dá conta das preferências dos pais em relação aos destinos universitários dos filhos: em Hong Kong, os encarregados de educação têm o Reino Unido como primeira opção; a China está à frente das universidades da antiga colónia britânica.