Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Festival Literário junta autores lusófonos e chineses
Segunda, 12/12/2011
Entre 29 de Janeiro e 4 de Fevereiro de 2012, realiza-se a primeira edição do Festival Literário de Macau, organizado pelo jornal Ponto Final e pela Sociedade de Artes e Letras (SAL). Em declarações à Rádio Macau, Ricardo Pinto, proprietário do jornal e dirigente da SAL disse que estão confirmados vários autores de língua portuguesa e também chinesa, entre os quais os portugueses José Rodrigues dos Santos, José Luís Peixoto, Alice Vieira, Rui Cardoso Martins e o chinês Su Tong, vencedor, em 2009, do “Man Asian Literary Prize”.

De acordo com Ricardo Pinto, o objectivo passa por proporcionar “um encontro entre escritores de diferentes comunidades, a partilha de experiências”, tendo em vista, possivelmente, “o princípio de uma futura colaboração” e, também, haver “mais autores autores chineses traduzidos para português e autores de países de língua portuguesa traduzidos para chinês”. Na calha está, ainda, a escrita de contos com inspiração em Macau por parte dos autores participantes no certame, cuja apresentação está já agendada para o segundo festival, em 2013.

Ricardo Pinto promete esforço para aproximar os vários mundos presentes no festival, nomeadamente através da promoção de traduções e edições, contando, para isso, com a presença, no festival, de editores, livreiros e tradutores.

Durante a semana do festival, Ricardo Pinto destaca que haverá mais actividades além do universo da escrita, incluindo sessões de cinema, aproveitando a presença de “argumentistas e realizadores, pessoas que, para além de escritores, são também conhecidas no mundo das artes pela sua carreira no cinema.”

O 1º Festival Literário de Macau insere-se nas comemorações do 20º aniversário do jornal Ponto Final. Directamente ligada a essa efeméride, haverá, no programa do festival, uma exposição sobre o trabalho de um dos mais internacionais cartunistas portugueses, André Carrilho, que se estreou nas páginas do jornal de língua portuguesa de Macau.