Em destaque

19 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.16 patacas e 1.12 dólares norte-americanos.

Lau Si Io admite fundo para a habitação pública
Segunda, 05/12/2011
O Governo vai estudar a criação de um fundo de investimento para a habitação pública. A possibilidade foi avançada, esta tarde, pelo secretário para os Transportes e Obras Públicas.

De acordo com Lau Si Io, na Assembleia Legislativa para apresentar as Linhas de Acção Governativa para 2012, o fundo poderá servir para garantir que um ambiente económico adverso não prejudique a construção de habitações para a população mais carenciada.

Ainda sobre habitação pública, Lau Si Io reiterou que o Governo vai construir 19 mil fracções até ao final de 2012, e também que há terrenos em reserva para mais 6300 fracções, das quais, revelou o secretário, 3850 vão começar a ser construídas no próximo ano.

No primeiro dia do debate das Linhas de Acção Governativa para a área dos Tansportes e Obras públicas, o deputado Au Kam San, da Associação Novo Macau, pediu que a qualidade dos projectos de habitação pública não fosse sacrificada pela “pressa” da construção.

Na intervenção que fez, Au Kam San pediu, também, esforços para a revisão da lei de terras e para a lei do planeamento urbano, diplomas que o deputado diz serem fundamentais para combater o “clientelismo” e favorecimento dos empresários. Para Au Kam San, a lei de terras deve ser a tarefa prioritária do Governo no próximo ano.

Sobre a lei de planeamento urbanístico, que o Governo planeia apresentar à Assembleia Legistaiva no terceiro trimestre do próximo ano, Kwan Tsui Hang defendeu que deve ter em conta a preservação dos recursos naturais e do património, dos espaços públicos e da melhoria das condições de habitação.

Kwan Tsui Hang acusou, ainda, o Governo de não ter um plano para o desenvolvimento saudável do mercado imobiliário. A deputada critica que não basta a lei de mediação imobiliária, quando “não há controlo sobre os preços”, que continuam a subir, disse.

Kwan Tsui Hang pediu também que o Governo melhore as políticas para a habitação e pediu que o Executivo seja capaz de impor limites aos empreendedores, dando o exemplo de um projecto, entretanto suspenso, na Taipa Pequena, de um arranha céus que, na opinão de Kwan Tsui Hang, está a destruir as zonas verdes da ilha.

Os problemas dos transportes, táxis e autocarros, foram evocados pelos deputados Angela Leong e Chui Sai Peng, que temem um cenário mais negro no futuro, caso não sejam tomadas medidas eficazes e atempadas. De acordo com os números do secretário Lau Si Io, actualmente, há nas estradas de Macau 200 mil veículos.

Paul Chan Wai Chi questionou sobre a necessidade de um corredor exclusivo para os transportes públicos aos domingos e feriados na Avenida Almeida Ribeiro. Passaram dez meses desde a implementação da medida e o deputado do Novo Macau diz que o corredor dever ser eliminado porque afastou as pessoas das lojas comerciais que existem na zona.

O deputado Chan Meng Kam também deu sugestões a Lau Si Io. O deputado quer que seja criado um serviço para coordenar todos os grande projectos de obras públicas e, assim, evitar o despesismo.