Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

Nova ponte e diversificação económica recuperam imobiliário
Quinta, 14/07/2016

A construção de infra-estruturas – como a ponte que vai ligar Macau a Zhuhai e Hong Kong – e a diversificação da economia local podem resolver a crise no mercado imobiliário. A opinião é defendida pela Jones Lang LaSalle (JLL).

 

A consultora apresentou, esta tarde, algumas previsões sobre o sector.  “Honestamente, não vejo que seja possível [a recuperação] num curto período de tempo. Um ano? É demasiado cedo para dizer isso. A longo prazo, dois a três anos ou três a cinco anos, acho que podemos estar muito optimistas sobre Macau, especialmente com o aumento da qualidade e a diversificação dos sectores da economia. Tudo isto beneficia a economia e também o mercado imobiliário”, defende um dos directores da JLL, Jeff Wong.

 

Por agora, a Jones Lang LaSalle prevê que os preços do arrendamento no mercado residencial de massas continuem a baixar. Na segunda metade do ano, a queda deve ser de 7,1 por cento. No entanto, os valores dos imóveis podem aumentar 0,7 por cento.

 

À margem da apresentação das previsões até ao final do ano, Jeff Wong abordou ainda os recentes problemas com a reversão de terrenos em Macau. O responsável da consultora admite que há questões que podem minar a confiança dos investidores. No entanto, a actual Lei de Terras dá garantias porque as regras do jogo são claras.

 

Sobre casos semelhantes aos dos lotes C e D, localizados junto à Assembleia Legislativa, Jeff Wong lembra que a ida aos tribunais vai fazer com que os processos se arrastem ao longo dos anos. “Actualmente, penso que grande parte da opinião pública defende que os casos devem seguir para o tribunal. Definitivamente, esta é uma das maneiras de resolver os conflitos. Mas, por outro lado, consideramos todas as alternativas ou mecanismos que possam resolver a disputa mais rapidamente. As pessoas sabem que ir aos tribunais leva muitos anos e exige muitos esforços e dinheiro”, nota o responsável da JLL.