Em destaque

25 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,0449 patacas e 1,1156 dólares norte-americanos.

 

Manifestação de 15 de Maio: “Autoridades cumpriram a lei”
Sábado, 25/06/2016

O secretário para a Segurança, Wong Sio Chak, disse, em entrevista aos canais portuguesas da TDM, que as autoridades agiram correctamente na manifestação do passado dia 15 de Maio.

 

“Houve um grupo que não obedeceu à ordem policial, nem à sentença dada pelo Tribunal de Última Instância (TUI), e ocupou uma parte da estrada. O passeio para peões naquela zona é suficiente para os manifestantes passarem. Alguns manifestantes ou organizadores entraram intencionalmente na estrada e evitaram o passeio de peões. Depois de vários avisos da Polícia, não obedeceram às indicações e, segundo a respectiva lei, este acto constitui um crime de desobediência qualificada”, justificou.

 

De acordo com o secretário para a Segurança, no final da manifestação, “reuniram-se ilegalmente sem informar previamente a Polícia. Este acto é também contra a lei”.

 

Recorde-se que Scott Chiang está a ser investigado. O presidente da Associação Novo Macau é suspeito do crime de desobediência. A Polícia de Segurança Pública apresentou uma queixa-crime ao Ministério Público relativamente a incidentes durante a manifestação do passado 15 de Maio, devido à alegada desobediência por parte da organização do protesto.

 

Quanto ao futuro político, Wong Sio Chak disse estar disponível para continuar à frente da pasta da Segurança e quanto a uma eventual candidatura a Chefe do Executivo afirma que é uma questão que não deve considerar. O objectivo “é fazer o trabalho na área da segurança o melhor possível”.

 

Nesta entrevista, o governante disse ainda que as autoridades têm cumprido a lei no que concerne à entrada de pessoas em Macau.

 

“Segundo a experiência da execução da lei durante muitos anos, acho que não há qualquer defeito ou falha da Polícia de Macau a referir”, considerou.

 

E acrescentou: “Cada indivíduo cuja entrada em Macau foi rejeitada tem o direito de recorrer ou resolver o problema através do tribunal. Mas durante anos não vi nenhum caso que tenha conseguido opor-se à medida policial”.

 

Wong Sio Chak não confirmou a existência de uma lista negra. “Neste momento não sei se existe uma lista negra. A Polícia vai continuar a recolher informações e quando verificar haver indivíduos que possam causar risco à segurança de Macau não irá permitir a sua entrada em Macau. A Polícia executa este trabalho com o julgamento e critérios profissionais”, sublinhou.

 

A entrevista com Wong Sio Chak foi transmitida ao meio dia na Rádio Macau e será repetida na segunda-feira às 10,30 horas e pode ser também ouvida na página da internet da TDM.