Em destaque

19 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.16 patacas e 1.12 dólares norte-americanos.

Guangdong quer mais investimentos da lusofonia
Terça, 21/06/2016

O governador de Guangdong disse hoje em Macau que a província chinesa dá “muita atenção” aos investimentos dos países de língua portuguesa e que espera que venham a aumentar.

 

Segundo a agência Lusa, Zhu Xiaodan falava aos jornalistas à margem da conferência conjunta de cooperação Guangdong-Macau, durante a qual foram assinados 12 protocolos de cooperação.

 

Na ocasião, o governador referiu-se à Zona de Comércio Livre de Guangdong, um projeto-piloto que compreende três zonas: Nansha, em Cantão, Qianhai, em Shenzhen, e a Ilha da Montanha (Zhuhai), num total de 116,2 quilómetros quadrados.

 

O governador afirmou que “iremos ter a nossa zona de comércio livre a apontar para todo o mundo, iremos ainda maximizar o papel que a baía de Daguang (em Jiangmen) vai desempenhar na zona Delta do Rio das Pérolas, promovendo a cooperação de diferentes zonas integradas no Delta dos Rio das Pérolas”.

 

Nesse sentido, garantiu que Guangdong vai também “aproveitar a vantagem de Macau como plataforma entre a China e os países de língua portuguesa. Mediante a cooperação estreita com Macau, iremos também promover este papel de Macau a um nível diferente”.

 

Por outro lado, salientou que a estratégia chinesa de “Uma Faixa, uma Rota” leva Guangdong e Macau “a atingirem outro patamar de cooperação”.

 

Zhu Xiaodan referiu ainda os esforços para aumentar o intercâmbio entre os jovens de Macau: “Vamos criar uma base de informação de empreendedorismo, nomeadamente de Nansha, e assim proporcionar uma plataforma para os jovens de Macau entrarem no mercado de Guangdong. Vamos promover a criação de um fundo de inovação e também formar quadros qualificados e convidar entidades de avaliação de risco para os apoiar”.

 

O Chefe do Executivo, Chui Sai On, também referiu o reforço da cooperação com as cidades integradas na Zona de Comércio Livre de Guangdong: “Esperamos que os jovens possam aproveitar as oportunidades nessas zonas”, afirmou.