Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

Revista de imprensa de Macau e Hong Kong (Terça-feira)
Terça, 21/06/2016

As críticas dos deputados da Assembleia Legislativa ao regime de previdência não obrigatório e o caso de uma mãe que foi detida por ter pedido à filha para roubar dinheiro de uma loja são algumas das notícias em destaque na imprensa de hoje.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

O Ou Mun e o Va Kio contam, em manchete, o caso de uma mulher do Continente que foi detida em Macau. A mulher terá pedido à filha com cerca de dez anos de idade para roubar o dinheiro da caixa registadora de uma loja de roupa enquanto a proprietária estava distraída a atender outros clientes.Foram roubados cerca de 24 mil dólares de Hong Kong e a mulher foi descoberta após o visionamento das imagens das câmaras de segurança.

 

Canal chinês da Rádio Macau

O Ou Mun Tin Toi está a dar destaque ao longo da manhã à conferência anual de cooperação entre Macau e Guangdong que está a decorrer esta manhã e que conta a presença de Chui Sai On e do Governador da Província Chinesa, Zhu Xiaodan.

 

Jornais de Macau em Língua Portuguesa

“A lei que ninguém quer” é a manchete do jornal Ponto Final, referindo que a Assembleia Legislativa adiou para hoje a votação sobre a lei do regime de previdência central não obrigatório. O jornal diz também que Au Kam San foi “arrasador” nas críticas à gestão na Fundação Macau.

 

O Jornal Tribuna de Macau faz eco das declarações do responsável de um dos 11 estaleiros navais de Lai Chi Vun que admite recorrer nos tribunais da decisão do Governo de encerrar os espaços. O responsável diz que o Governo está a montar uma armadilha contra os proprietários.

 

“A cara do regime” é a manchete do jornal Hoje Macau que diz que o novo regime de previdência não agrada nem a gregos nem a troianos. O jornal faz também referência ao festival de carne de cão que começa hoje na cidade chinesa de Yulin.

 

Jornais de Macau em Língua Inglesa

“Regime não obrigatório de previdência não convence” é a manchete do jornal Macau Daily Times que adianta que a votação sobre o diploma foi adiada para hoje na Assembleia Legislativa. O jornal entrevista também o realizador do filme “Now you see me 2”, parcialmente rodado em Macau, que está confiante no sucesso da película na China.

 

No Macau Daily Post está em grande destaque o caso de uma mãe da China Continental que pediu à filha de dez anos para roubar o dinheiro de uma caixa registadora numa loja de roupa. A mulher foi detida pela Polícia de Segurança Pública.

 

O jornal Business Daily faz eco das duras críticas dirigidas por Au Kam San à gestão da Fundação Macau. O deputado da Associação Novo Macau denunciou a falta de transparência da instituição que diz ter-se tornado num “Clube VIP” das grandes associações e magnatas de Macau.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

No South China Morning Post aparece CY Leung em grande plano. O Chefe do Executivo de Hong Kong falou pela primeira sobre as alegações do livreiro Lam Wing-kee, prometendo que vai escrever ao Governo Central transmitindo as preocupações da população sobre este caso de alegado rapto em Hong Kong por parte de forças de segurança da China Continental.

 

Também em primeira página, o antigo Secretário para a Saúde de Hong Kong John Leong está a liderar um estudo que pretende avaliar a possibilidade de permitir que doentes terminais possam morrer em casa de forma a aliviar a escassez de camas as unidades enfrentam.

 

O China Daily destaca a viagem de Xi Jinping à Europa. O presidente Chinês está na Polónia onde acordou o lançamento de projectos no âmbito da iniciativa uma faixa, uma rota. O jornal destaca também as declarações de CY Leung sobre a revisão do mecanismo recíproco de comunicação entre Hong Kong e a China Continental mas não faz qualquer referência ao caso dos livreiros.

 

Este é também um assunto em destaque no jornal Standard. O jornal faz eco das palavras de CY Leung mas também do Secretário para a Segurança de Hong Kong que afirmou que não serão entregues às autoridades do Continente quaisquer dados sobre os clientes da livraria Causeway Books.