Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

Projecto de habitação pública enfrenta oposição
Quinta, 02/06/2016

O projecto de habitação pública previsto para a zona do Estádio de Macau na Taipa tem a oposição de alguns membros do Conselho do Planeamento Urbanístico (CPU). O plano do Governo é demolir o edifício que funcionou como sede dos Jogos da Ásia Oriental e aumentar a construção em altura até 90 metros. Pelo menos três conselheiros entendem que o terreno deve ser usado para equipamentos desportivos. 

 

Além do impacto em termos de densidade urbana, há a preocupação de a altura edifício significar um desvio aos padrões internacionais seguidos pelo estádio e piscina olímpica. “Sinceramente, a população precisa de habitação pública. Mas há outras instalações que a população também necessita. Esse [projecto] pode criar uma lacuna no nosso planeamento urbanístico futuro”, diz Wu Chou Kit, membro do CPU.

 

O projecto de habitação pública prevê ainda 350 lugares de estacionamento para carros e 250 para motas.

 

À saída da reunião, o secretário para os Transportes e Obras Públicas, Raimundo do Rosário, disse que o Governo vai considerar as opiniões dos conselheiros. Na sessão desta tarde, o CPU confirmou também o plano do Instituto Cultural de impedir a construção num terreno privado em frente à Casa Azul, actual sede do Instituto de Acção Social.

 

O proprietário pretende construir um hotel e está indisponível para negociar com Governo, de acordo com Raimundo do Rosário. O secretário afasta, para já, a possibilidade de indemnização. “As Obras Públicas emitiram uma planta e o proprietário é que tem de decidir o que vai fazer. Enquanto ele não tomar uma decisão nós não temos que tomar iniciativa. Este foi o parecer que foi emitido hoje pelo CPU”.

 

Há mais terrenos nas mesmas condições. O Instituto Cultural tem também um parecer vinculativo em que diz que um terreno junto à rua de Tomás Vieira, nas traseiras do hospital Kiang Wu,  deve manter-se como espaço livre.

 

Ainda na zona do património, há um projecto de reabilitação dos edifícios cor-de-rosa na Travessa da Paixão, ao lado da Cinemateca, junto às Ruínas de São Paulo. O proprietário está obrigado a manter a fachada.