Em destaque

22 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.20 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

Revista de imprensa de Macau e Hong Kong (terça-feira)
Terça, 31/05/2016

Os receios por causa das centrais nucleares construídas na região, a contracção da economia e as declarações de Raimundo do Rosário sobre a qualidade das obras são os temas centrais da imprensa de Macau. Em Hong Kong, os jornais centram-se no colapso de de parte da antiga estação central da polícia.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

O jornal Ou Mun conta que, a partir de Julho, o corredor exclusivo para autocarros entre a Barra e a Doca Lam Mau passa a funcionar toda a semana. Nesta altura, a medida só vigora aos sábados e domingos.

 

O Va Kio puxa para manchete o balanço da criminalidade em Macau feito ontem pelo secretário para Segurança. Wong Sio Chak considera que tem havido progressos em termos de segurança.

 

Canal Chinês da Rádio Macau

A Ou Mun Tin Toi conta esta manhã que, no ano passado, registaram-se 7517 vítimas de acidentes de trabalho, segundo os dados dos Serviços para os Assuntos Laborais. A taxa de sinistralidade por cada mil vítimas de acidentes de trabalho foi de 19 por cento.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

O Jornal Tribuna de Macau puxa para manchete a queda de parte do telhado da Igreja de Santo Agostinho. O jornal escreve “Ex-presidentes do Instituto Cultural querem cursos para gestores do Património”. No destaque fotográfico de hoje está o metro ligeiro de Macau. O jornal escreve “500 milhões ‘vão de Metro’ para o MTR de Hong Kong”.

 

O Hoje Macau titula “Vizinhos nucleares”. Macau está rodeada de cinco centrais nucleares e quatro estão a “uma distância perigosa, segundo um analista da Greenpeace de Hong Kong”. Em outra chamada de capa lê-se “Obras públicas: Qualidade em queda”. A avaliação foi feita ontem pelo secretário para os Transportes e Obras Públicas.

 

“O receio mora ao lado” escreve o Ponto Final. A construção de uma central nuclear a menos de 70 quilómetros de Macau está a deixar alarmada a população do território. O Executivo diz ter um plano de contingência. Em foco ainda Raimundo do Rosário que ontem fez uma avaliação das obras públicas. O secretário para os Transportes e Obras Públicas considera que a qualidade é baixa.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

O Business Daily diz que o “Produto Interno Bruto continua em espiral descendente”. Nos primeiros três meses do ano a economia contraiu 13,3 por cento. Em destaque também as expectativas das associações de operários que esperam ainda por uma proibição total de fumo nos casinos.

 

No Macau Daily Times a manchete é entregue também aos resultados da economia no primeiro trimestre. O PIB caiu mas o jornal fala de um “crescimento que pode estar no horizonte”. Ainda em destaque os protestos dos moradores e dos lojistas do Largo do Senado contra a manifestação da Associação para a Reunião Familiar.

 

No Macau Post Daily lê-se “Qualidade da construção está pior que do que há 15 anos”. Foi o que afirmou ontem o secretário para os Transportes e Obras Públicas, Raimundo do Rosário, na Assembleia Legislativa. Uma nota também do jornal para as greves que afectam França a cerca de uma semana do arranque do Euro 2016.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

O China Daily escreve que Xi Jinping e Li Keqiang olham para a ciência como a chave para o futuro. Em foco ainda Pequim que vai pressionar Washington por causa das questões marítimas durante o Diálogo Económico e Estratégico entre a China e os Estados Unidos.

 

O South China Morning Post publica na primeira página o estado em que ficou a estrutura da antiga estação central da polícia depois de parte do edifício ter desabado. O jornal diz que o prédio era conhecido por ser vulnerável. Nota ainda para condenação de Ken Tsang, do Partido Cívico, a cinco semanas de prisão. Em causa ainda os protestos do Occupy.

 

No Standard escreve hoje também sobre o colapso do antigo edifício da polícia e cita o o presidente do Grupo de Trabalho do Património. Para Lee Ho-Yin o património que não é seguro deve ser demolido.