Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Crime: Mais empréstimos ilegais e sequestros nos casinos
Segunda, 30/05/2016

Há mais empréstimos ilegais e mais gente sequestrada nos casinos de Macau, de acordo com o balanço da criminalidade no primeiro trimestre, apresentado hoje.

 

Apesar de a criminalidade geral ter diminuído 7,1 por cento para cerca de 3300 casos, entre Janeiro e Março deste ano, o crime de sequestro ligado ao jogo aumentou 33 por cento em termos anuais, com as autoridades a registarem 89 casos.

 

Ainda no universo do jogo, também dispararam os casos de agiotagem. As autoridades dão conta de uma subida de 56 por cento, o que representa mais de uma centena de casos de usura.

 

Os números foram avançados pelo secretário para a Segurança, Wong Sio Chak, que associa o aumento deste tipo de crimes a uma maior intervenção das polícias nos casinos, mas também à queda nas receitas do jogo: “Essa subida também tem a ver com o facto de estarmos num ajustamento do sector do jogo. Verificam-se menos clientes para os casinos, mas o número dos criminosos não reduziu. Ou seja, pode haver maior concorrência entre essas pessoas, por isso, pode ocorrer mais crimes deste tipo”.

 

Ainda assim, Wong Sio Chak defende que a queda das receitas do jogo não trouxe quaisquer consequências para a segurança de Macau.

 

O secretário sublinha a “taxa zero” da criminalidade violenta e grave, como homicídios e raptos.

 

Por outro lado, as autoridades também não detectaram nenhuma actividade de seitas.

 

Ainda no universo do jogo, o Governo está a considerar o recurso a agentes provocadores para travar o mercado das apostas paralelas.

 

O secretário para a Segurança vê vantagens na medida, mas ressalva que vai continuar a ser muito difícil investigar esse crime, razão pela qual o número de casos seja reduzido.

 

A questão dos agentes provocadores já foi discutida pela Comissão Especializada sobre o sector dos Jogos de Fortuna ou Azar. Wong Sio Chak, nomeado em Abril para o grupo, diz que ainda não há nenhuma decisão. A prioridade é estudar o desenvolvimento do sector do jogo.